segunda-feira, 30 de agosto de 2010

70.3 de Penha
















Bem, para quem leu o post anterior - nada aconteceu de errado na prova.

Mas, não se enganem, pois meu pressentimento estava certíssimo. Não deu nada errado porque não deixei.

Tirado o caco de vidro do pneu, levei para a revisão, colocaram um pequeno manchão e lá aprendi a usar os cilindros de CO2. Ou seja, tudo que estava me causando ansiedade, eu tentei resolver.

Mas, não que, ao colocar a bike no
carro para a viagem, o mesmo pneu estava mucho!!!!

Éééééééé.

O jeito foi procurar o pessoal da Kona Bikes que estava em Penha. Deixei lá e, no outro dia, o mecânico que fez a troca me explicou que a câmara estava mordida.

Bom, sai na quinta ainda de madrugada. Sei lá o porquê, comprei um GPS que, teóricamente, estava com os mapas atualizados.

Putz, ainda bem que eu sabia mais ou menos onde onde fica Penha, porque se fosse seguir o tal GPS provavelmente estaria na Patagônia pedindo informações de como chegar em Santa Catarina.

Cheguei quebrado. Antes de ir para o hotel, passei pelo parque, peguei o Kit, comprei as coisas que me interessavam na Expo. O hotel ficava ao lado do Parque Beto Carreiro. Dava para ir a pé! Uma beleza.

Dormi um pouco. Acordei. Assisti um tantinho de novela porque não tinha canais pagos no quarto (só por isso, bem entendido). Enjoei. Tirei da mala as leituras programadas. Primeiro, finalizei um livro dos anos 80 que nunca tive saco de pegar, que é o conhecido "Cem dias entre o céu e o mar", do Amyr Klink. Não me arrependi, mas certamente esperava mais.

Depois comecei a leitura da biografia do Agassi, como comentei anteriormente. Numa tacada, foram 50 páginas - a narrativa é ótima, tiradas sarcásticas e inteligentes de um cara que sabe da vida mais que jogar tênis.

Bom, dormi. Levantei na sexta-feira, tomei café de hotel e me internei no quarto, esperando a chegada do Edú e do Felipe. Chegaram pelas 11:00 e fomos almoçar no "Tio Patinhas", porque
"lá disseram que a comida era boa" e que era "pertinho". Bom, boa não era mesmo, muito menos "pertinho".

Quando comentamos com o pessoal do Hotel, eles deram risada (mas ainda eram risadas). "Quem indicou?". Dissemos que tinha sido "o cara da portaria do Beto Carreiro".

"O cara da portaria?????"

Ai a gargalhada foi geral!!!!

Me senti um pato! Um pato em pessoa!!!!

Mas, enfim, fomos a feira e lá encontrei o Kiko (foto abaixo), que eu conhecia apenas virtualmente por meio do Blog dele e batemos um papo! Gente finíssima e terminou a prova com muita cãimbras e muita raça também!


Depois, fomos todos entregar o bike e as sacolas. No grupo já se somavam o Leopoldo,
o Caio e todas as respectivas amigas, noivas, namoradas e esposas. Tudo certo, tudo tranquilo. Todos já tinham experiência do Iron e não havia necessidade de acompanhar o Congresso Técnico porque a dinâmica é basicamente a mesma.

Fomos fazer um reconhecimento do percurso de bike e, depois, direto para o hotel.

No outro dia, já na área de transição, o Artur do Blog Triathlon um estilo de vida me chamou e na hora eu o reconheci, apesar da nossa comunicação ser apenas virtual também. Foi o único que dos que eu conhecia lá que fez a prova em menos de 5 horas, mesmo tendo participado do revezamento do Long Distance Rio duas semanas antes.

Bom, já na praia, fiquei junto com o Felipe e o Edú. A água estava muita fria e a gente (pelo menos eu e o Felipe, porque o Edú é insondável), nervosos.

Esse estado psicológico é involuntário. Não é pelo resultado, não é pelo desempenho, não é pelo medo de não ter treinado. Simplesmente acontece. O Agassi comenta que cada um lida com isso de um jeito. Correndo para o banheiro é uma delas. Mas esse momento já tinha passado.

O problema é que a largada é quase um susto. De repente. Não dá tempo para nada. Você ouve uma buzina e se joga para frente. Não dá tempo de raciocinar e muito menos começar a prova "numa boa", "tranquilo".

Abre Parênteses.

Engraçado é que os que sempre falam assim são são os primeiros que partem deseperadamente para água quando a largada acontece. Podem ver, saem lá de trás com tudo e vão pra cima mesmo! Parece até abertura de loja de departamentos em liquidação depois do final do ano.

Fecha Parênteses
Comecei a natação forte, seguindo a linha de nadadores na minha frente. Apanhei pouco. Só um pouco. Mas sair forte tem um custo e meus braços já estavam cansados logo na
primeira bóia. em compensação, não tive problemas para me localizar e fiz um natação forte.

Só que, no meu caso, não importa se é forte ou fraca, eu sempre faço em torno de 37 minutos.

A T1 demorou. Quase 5 minutos.

Fui para a bike e sai para o pedal mais puxado que já fiz na vida. Conversando com as pessoas que fizeram a prova, todos reconheceram que o pedal estava mais para um Triathlon Olimpico do que para um Meio Iron.

O piso da estrada era excelente e os aclives não eram tão fortes, favorecendo a percepção geral de que o pedal seria "fácil".



Bom, se você pedala 90 km em ritmo de TT, você deve reconsiderar seu conceito de "fácil".

Doeu!

Obviamente, muitos pelotões. Chateia. Como diz o Chico Ironman, usar o vácuo é o mesmo que cortar caminho. Achei a fiscalização pífia. Você pesca um, pesca outro, mas as penalidades deveriam ser em massa.

Eu fiquei praticamente todo pedal em um disputa com três ciclistas. Chamou a atenção um rapaz, muito acima do peso, mas que socava o pedal de forma alucinante. Eu passava abria nas subidas, mas no plano ele e outros dois me alcançavam e abriam. O vento era fraco, pouco atrapalhava (ou ajudava).

Tudo dentro da mais pura lealdade. Em algum momento, pensei que aquela disputa poderia me prejudicar, mas estava me alimentando corretamente - desta vez, deixei de lado os sólidos e tomei quatro (ou cinco) sachês de GU. A água tinha um pouco de Glicodry. Mas muito pouco.

E bastou isso. Como eu não tenho problemas com gel, ainda tomei outros na corrida.

Mas não gostei do resultado da pedal. Fiz para 2:45 (média de 32,5 km/hora), tendo a firme expectativa de realizar um tempo abaixo de 2:37, tal como consegui em Pirassununga (onde o percursos é menos favorável).

Minha sensação era de que nunca tinha pedalado com tanta intensidade, mas não deu.

Desci da bike com as "pernas bambas". Tirei a sapatilha e "corri" para barraca. Fiz a T2 em 2:45.
Como comentei com o coach, para mim a corrida no triathlon é "de graça". Eu saio para correr sempre com as pernas muito soltas, como se não tivesse pedalado antes. Não faço força, pois apenas executo passadas rápidas e curtas (mais de 90 por minuto). É como se eu não estivesse correndo, mas andando muito rápido.

No quarto quilômetro dos 21, estava tão fácil que, tirando o sol, achei que estava "agradável". Mas diminui. Medo mesmo. Tomava Gu, Gatorade e Coca-Cola nos postos de abastecimento. Retomei o ritmo mais puxado apenas na parte final, faltando 2 km para completar a meia.

Fiquei feliz por ter feito a Meia em 1:52, com pace de 5:17. Para quem "não correu", é uma ótima marca.

O Resultado final foi de 5:22. Não gostei frente a minhas outras provas com o mesma distância. Fiquei longe dos 5:15 de Pirassununga em 2008 e mais ainda dos 2:08 de Caiobá esse ano.

Mas, aqui entre nós - acho que as distâncias do Long Distance não são precisas. Todos comentam que em Caiobá o percurso da pedal é quatro quilômetros mais curto. Não tenho certeza, mas desconfio que isso realmente acontece.



O resultado segue abaixo:

EventoIRONMAN 70.3 - PENHA/SC
Número de peito269
SexoM
CategoriaM4044
Equipe
Tempo Final05:22:51.80
Swim00:37:24.30
T100:04:56.35
Bike C100:03:40.85
Bike C200:21:04.45
Bike C300:47:23.50
Bike C401:13:20.05
Bike C501:39:45.00
Bike C602:05:56.35
Bike C702:33:29.45
Bike02:45:50.55
T200:03:03.75
Run C100:30:48.05
Run C201:23:05.30
Run01:51:36.85
Velocidade Média Natação3.04
Velocidade Média Bike32.5
Pace Corrida00:05:17
Velocidade Média Corrida11.3
2 Rank Cat Bike46
Rank Run258
Rank Cat Run37



10 comentários:

CANELAFINA disse...

Muito bom seu relato da prova Creio que como o Amir conta no livro o planejamento foi essencial para esta segurança em toda a prova. Parabens
Eduardo Mattos

Claudia disse...

Oi Vagner
O seu tempo foi igual ao meu do ano passado 5h22m! Deu uma coceirinha... bem que queria estar lá com todo mundo mas... desta vez não tinha como!
Parabéns pela prova e pelo relato!
bj

Xampa disse...

Bela prova. Parabens.
Seus paranteses são sempre bem vindos.
E o livro do Agassi? Animal !!! Nossa mentora do livro já deixou um comentário aí. Que livro !
E eu achava que o Agassi era um ex-cabeludo que qdo jovem jogava tenis de bermuda jeans.

Artur Araujo disse...

Grande Vagner,uma das minhas alegrias nessa prova foi ter te conhecido,vc é sensacional,que astral.Por isso gosto desse esporte,nos traz amigos recentes que tenho a impressão de conhecer há anos.Um grande abraço e parabéns pelo relato.

Egas Zandona triathlon disse...

parabens mestre!!!
importante q vc foi la e fez acontecer!!!
tempo?!bom, isso eh algo muito pessoal...só vc pra descrever, como fez!
abraço

Joel dos Santos Leitão disse...

Vagner, como assim a câmara estava mordida?! Segura os cachorros... kkkkkk
Fico feliz que você tá curtindo o livro do Agassi. Não esquece o livro que você me prometeu, hein!!!! Vc vai correr na USP neste sábado? Quem sabe não corremos juntos novamente por mais 3 horas?
Olha, não sabia que podemos tomar vários GUs de uma só vez... aprendi mais uma agora. Interessante.
Pô, Vagner, depois de tudo o que você nadou e pedalou ainda humilhou!!! Fez a meia em apenas 1h52min... caraca!!!
Quanto ao seu tempo final, não entendo de triatlon, mas parece-me um tempo muito bom para seres mortais, que inclusive trabalham.
Parabéns!
Forte abraço,
@JoelMaratonista
http://corredordisciplinado.blogspot.com/

Antonio C R Colucci disse...

Boa Bessa!
Muito bom seu relato!
Um dia eu ainda vou entrar na agua..
Bom, o tempo não foi exatamente o que vc queria, mas também não ficou tão longe assim. Mandou bem!
Abraço
Colucci
@antoniocolucci

* Nos vemos na Usp Sabado?

Kiko disse...

Show o tópico Bessa, fiquei contente quando me citou, fui duro pra mim mesmo, mas estou vivo :D.

Parabéns pela bela prova, mandou bem, fez uma prova controlada e bem regular.

Nos veremos no Iron.

Grande Abraço amigo.

Yeda disse...

Vagner, você está voando baixo, 1:52 depois de ter pedalado e nadado? Não te chamo mais para correr comigo...rs rs rs Falndo sério, belo resultado e belo post, me senti participando da prova. Parabéns!

Deise disse...

Sou sua fã e devoradora dos relatos do seu blog.É sempre um aprendizado.Parabéns pela prova !! Bjs