domingo, 8 de agosto de 2010

Semana de Treino

Uma semana sem grande novidades. Apenas me chamou a atenção a continuação dos treinos curtos - bike, natação ou corrida.

Quando acostuma-se com exercícios longos voltados para as provas de endurance, há uma certa má vontade com treinos curtos - você olha a planilha, vê que terça-feira tem treino de 50 minutos de natação ou um pedal de 45 na quarta, sendo que apenas e tão somente os últimos 15 minutos serão de intensidade mais forte.

A primeira coisa que tem vem na cabeça é: para fazer isso, não vale a pena sair de casa.

Mas, sim, vale. Vááááleeeee mesmo!

Segunda-feria, foi um treino mais ou menos assim. Ainda no trabalho, conferi a planilha e estava lá: 10 x 25 forte com palmar, 45 segundos de intervalo, mais 200 solto e finalmente 2 minutos solto. Isso quatro vezes. Pensei que com esse tempo de intervalo eu iria esfriar na água e passar frio de tanto esperar. Fora que fazer 25 metros forte com palmar é tão fácil que eu nem tiro a cabeça da água.

Ao sair da piscina, entretanto, uma ótima sensação de bem-estar. E você pensa depois: por quê treinos que não te fazem "sofrer" não devem ser feitos com dedicação? Sempre há um ganho nessas atividades e se está programado, seu técnico teve um bom motivo para fazer isso.

De outro lado, ao sair de casa, se você é solteiro evita a rotina covarde de ficar a noite no sofá sem absolutamente nada para fazer a não ser assistir reprises das séries que você gosta ou ficar na internet.

Na terça-feira estava sem bike que foi para a revisão e não pude treinar (mas podia, fazendo o treino em uma bike de spinning da academia, como foi na sexta - então trata-se daquelas desculpas esfarrapadas).

Quarta-feira, mesmo em uma noite gelada, fui correr no Campo de Marte. Outro treino de mais ou menos uma hora, com tiros curtos e bom intervalos de descanso. Nada complicado.

Quinta-feira, voltei para piscina - 25 minutos com palmar e pulbóia fácil e mais 25 moderado com os mesmos acessórios. Ótimo treino de manutenção que pode ser usado para melhorar a técnica de braçada e rotação do tronco na água. Fora isso, como não há obrigação de contar o número de chegadas e o esforço é contínuo, é possível nadar com muita descontração.

Sexta-feira, peguei a bike - mas não queria trocar o pneu para colocá-la no rolo porque, pensava eu, sábado teria que desfazer tudo de novo já que estaria na estrada domingo. Fui para a Runner e fiz um treino excelente em uma bike de spinning - 3 minutos forte e 2 fraco (total de 50 minutos). É duro, mas há um limite para o esforço - quando começa a ficar insuportável, dois minutos de descanso.

Sábado, 2 horas de corrida. Resolvi ir para a USP. Queria variar um pouco e pegar uma altimetria mais difícil, apesar do treino exigir um esforço fraco na primeira hora e moderado na segunda. Além disso, iria testar o novo Newton que comprei - morrendo de raiva do preço no Brasil, que é uma extorsão! Mas esse assunto fica para outro post...

Fui dar algumas voltas dentro do bosque da USP, a fim de testar o tênis em uma pista de terra batida, aproveitando a dica do Edú Carvalho. E para minha surpresa, o percurso ali é mais extenso do que aquele que eu achava. Seria excelente, não fossem os chachorros que ficam por ali....

Sai de lá e fui correr na rua, subindo e descendo aquela "simpática" subida da biologia. Depois encontrei a Guga e o César da Find e aproveitei para correr com eles. Ambos estão se preparando para os 600k da Nike e estavam fazendo um longo. Peguei o ritmo deles e a conversa foi tão boa que completei o treino com 15 minutos a mais, mas nem me dei conta.

Domingo, eu achei que iria pedalar no Riacho Grande, mesmo sabendo que teria que fazer um treino de 3 horas e voltar correndo para ir almoçar com o meu pai. Só que, a acordar as 4:30 da manhã, minhas pernas estavam tão frias que pensei no sofrimento de pedalar com vento no final da madrugada. Não tive dúvidas - armei o rolo na sala e fiz um treino de 3 horas no Coroão, assistindo televisão.

Fui almoçar e aproveitei para dar um pulo na livraria cultura. Comprei alguns livros e a Triathlete Magazine, que considero leitura obrigatória.

4 comentários:

Yeda disse...

Vagner, tem certas coisas que realmente não mudam...rs rs rs Dá-lhe rei do rolo...

Xampa disse...

Esse seu resumo da semana é sempre show.
Aprendo sempre com eles. Espero que a disposição para escrever nunca acabe.
Tb acho a TM como insuperável. Sempre baixo do Luiz Fernando e vou lendo. Nada supera esses textos.

Egas Zandona triathlon disse...

grande vagner!
super bacana teu blog
acompanho sempre!
abs

Artur Araujo disse...

Vagner vou te confessar que adoro os treinos curtos e intensos.Eu me sinto forte com esses treinos,não sou muito fã de ficar horas treinando,faço porque tem que ser feito,mas gosto mesmo do gosto de sangue na boca.rsrsrss
Abração irmão.