sábado, 19 de maio de 2012

Ironman do Texas 2012

Ontem foi prova do IM do Texas. E vou começar dizendo o seguinte: lembram quando eu disse que tinha lido tudo sobre a prova? Pois bem, quando forem fazer uma prova no exterior, desconfiem até quano alguma coisa for repetida em vários lugares da Internet.

Bem, vocês vão entender...

Como de praxe, coloquei três despertadores para tocas as 3:30 da madrugada. Sempre acordo sozinho, mas melhor não arriscar.

Tomei um café muito leve, com pão e manteiga de amendoim. Eu sei que tem gente que diz que come macarrão antes da prova para garantir um estoque de carbo ainda maior. Entretanto, pelo menos no meu caso, quando vou nadar em dia competiçao no mar, volta tudo.

O clima da prova é, como se poderia esperar, ótimo! O narrador esta longe de ser esses tipos xaropes e a musica de fundo antes da largada foi um som do AC/DC.

Eu coloquei a porcaria do speedsuit, que não importa o quanto de vaselina eu use, sempre me detona o pescoço - não vou falar a marca, mas que da vontade de começar a falar sobre isso, dá!

O Rodrigo pediu para fica na frente e aberto. Como a natação tem inicio dentro da água ( e, nossa, que água quente!) me posicionei bem na frente - tanto que cheguei a ter medo de ser atropelado.

Dada a largada, sai forte e claro que tomei muito tapa, principalmente nas pernas. Só que, poxa, sabe que não foi muito diferente de ter largado no meio, mais atrás? 

Eu só não me conformo com o fato de que eu nunca dei "bulacha" em ninguém. Eu olho em volta a cada respiração e se tiver alguém colado, encurto o braço.

Rapidamente as pessoas foram encontrando espaço e a natação se desenvolveu mais tranqüilamente. Tudo que tinha que ser feio era nadar reto até o fundo do lago, voltar, entrar em canal e terminar aí - tudo otimamente sinalizado com bóias (o que me faz questionar também o motivo das pessoas pararem de nadar para acertarem o caminho, já tudo que precisam fazer é nadar reto!)

Depois de um começo forte, entrei em velocidade de cruzeiro. Mas no Iron a natação é tão longa que percebi que tenho problemas de concentração - me peguei pensando que o Pink Floyd poderia voltar a tocar ou quem tinha sido eliminado no American Idol nessa semana...;-)))

Para evitar isso, escolho alguém que esteja nadando como eu e tento acompanhar o ritmo. Serve para me deixar ligado e forma uma referencia de posicionamento dentro da água.

Isso da certo"médio", pois sempre entra alguém no meio e bagunça tudo.

Como tinha dito, a entrada no canal, que é pequeno, mas limpissimo, embolou as coisas porque compactou todo mundo. Me virei do jeito que pude e fiz uma natação com o tempo alto, na casa de 1:22.  Nadar lugares sem correnteza, contra ou a favor, mascara um pouco as coisas. No IM do Brasil, as pessoas estão um tanto que expostas ao mar e para a maioria o desempenho lá vai depender disso.

Mas sai da água sem olhar o tempo - e sem chip também. Mesmo tendo colocado um alfinete para reforçar o velcro, na pancadaria o dito cujo foi embora. Eu não tinha visto, mas a organização da prova, sim. Em três palitos eles me deram um chip novo. Bacana a agilidade.

Peguei capacete e sapatilha (lá é proibido deixar a sapatilha clipada no pedal) e logo no inicio percebi que tinha feito o reconhecimento no lugar errado. Mas foi muito melhor do que eu tinha imaginado.

O piso é de concreto e relativamente plano ou em descida. É como se vc tivesse pedalando em um rolo de forma bem macia, mas também muito rápido. Vou chutar aqui um pouco, mas acho que nos primeiros 40k você faz 42km/hora sem esforço.

Sério.

Mas quando vc sai dessa área mais urbana e começa a entrar na área rural, o piso muda para asfalto com cascalho. O cascalho não é solto, mas fica misturado com piche.

Nesse ponto o trafego aumenta e, sim, há carros e caminhos que checam a invadir a faixa de rolamento para as bikes. Gente reclama das coisas no Brasil, mas lá fora há problemas desse tipo também.

Começa o vento, mas logo se entra em área de bosque. Linda para olhar, mas para o pedal tá longe de ser molezinha. Seja porque o piso é ruim, seja porque começa a ter um sobe e desce que quebra sua velocidade. Consequentemente, há sempre um esforço de retomada que vai te drenando aos poucos.

Aí você sai e vai encontrar novamente o asfalto com cascalho em grandes longões. E começa o vento.

Esqueça a sua noção de vento amigo!

O pior vento que já peguei foi o do 70.3 de Miami, que basicamente foi quase todo lateral.

No IM do Texas você pedala com um vento lateral absurdo, tão ou mais forte que o de Miami. 

E as estradas são aqueles longos retões com sobe e...sobe! E o piso é aquele lá, de asfalto e cascalho. De repente vc entra na área das fazendas e vê aquele cenário desolador de filme americano.

E o vento contra! Sem exagero, vc chega a pensar que os caras bolaram o trajeto da prova pra que o vento sempre ficasse sempre desse jeito!

Nesse sentido é completamente diferente de Floripa. Apesar de haver vento também fora da orla, a gente sabe que a coisa pega mesmo ali, naquela área dos túneis. Mas o vento ora te segura, ora te empurra.

No Texas, não. Você tá de frente com a ventania todo o tempo. E não tem p@&#*a de percurso plano tal como te venderam, não....(rsrs)

Quando termina esse asfalto ruim, o desgaste já te deixa mais fraco e o sol a pino começa a te desidratar. E não tem porcaria nenhuma que vc beba que segure a onda.

E também começa a bater um cert receio de vc comer algo com aquele calor e te dar algum revertério. Acho que a ultima coisa que a gente quer nessas horas é ter problemas de estômago.

Só sei o seguinte. Quando olhei no relógio para tentar me alimentar, eu tinha feito 3:15 e já tinha quebrado. Mesmo quando voltamos para o trecho urbano, que é maravilhoso para pedalar, eu não conseguia mais fazer forca.

Como eu pedi para furar um pneu ou coisa do gênero!!! Uma rampa pra mim dava vontade de descer da bike e empurrar.

No finalizando, que tinham me falado que era uma descida, eu pensei em desmanchar novamente. Mas não tinha força para isso.

E cadê a área de transição? Não chegava nunca!! Psicologicamente aquele pedal tinha acabado com a prova.

Fiz uma transição demorada porque fiquei ingerindo liquido, tentando me recompor. Então sai para fazer a parte que mais gosto! A estratégia do Rodrigo era andar nos postos e correr entre eles. Só que logo no primeiro eu parei e fiquei minutos, horas, dias tomando hidrólito.

Meu estômago comecou a ficar estufado e a musculatura do abdômen estava muito enrijecida, começando a doer.

Quando eu corria, piorava. Para passar, eu tinha que beber mais, só que isso agravava ainda mais aqueles sintomas. Eu sentia uma "sede infinita".

O abdômen só fazia por piorar e tentei colocar gelo. Inútil.

Algo sólido? Nem gel. Pensei, como iria encarar uma maratona sem poder comer nada?

Comecei a andar e fiquei na expectativa de tentar correr novamente. Mas aí a minha mente me bloqueava.

No fundo, eu tinha colapsado.

E só de pensar em andar 42k era devastador.

Comecei a chorar e me perguntava porque aquilo tinha que ser desse jeito.

Tentava trotar. Parava dez metros depois. Tentava correr devagarinho embalado por alguém, mas nada funcionava.

Meu corpo não funcionava.

Depois de umas quatro horas de caminhada melhorei, mas a musculatura da perna estava fria e doía. De tanto tomar bebida com gelo minha garganta começou a doer e tive que procurar algo morno para tomar nos postos de hidratação.

Aí, naquele turbilhão de coisas que passou pela minha cabeça, entre desistir e ir até o fim, pensei que eu tinha que terminar.

Mas não era por uma questão de "superação", esse blá, blá, blá genérico. Eu tinha razões concretas para ir até fim.

Primeiro, e antes de tudo, porque achar que fazer um Iron andando "não vale" ou "não é a mesma coisa" é arrogante e desrespeita centenas de amadores que fazem um Iron dentro das suas possibilidades. Eu sou um amador e não me julgo a ultima bolacha do pacote para achar que "ah, se é para fazer assim, melhor pegar um avião e ir para casa".

O segundo é que que eu merecia a medalha, senão pelo esforço de fazer 14 horas de prova, pelo fato de ter me dedicado demais aos treinos todos os dias nesses ultimos meses. Isso não conta?

Por ultimo, não queria chegar no Brasil com um monte de tralha do Iron porque eu tive dinheiro para comprar. Eu queria ter o uniforme oficial do IM do Texas porque tinha feito a prova.

Obviamente, tudo isso foi muito doloroso. As vezes eu pensava que alguém poderia estar acompanhando pela Internet vendo que decepção toda era aquela. Eu que sempre conseguia evoluir de ano para ano, tinha as melhores perspectivas em 2012, agora estava caminhando entre os postos de hidratação.

Bem, na chegada, você passa por um corredor largo e as pessoas do lado de fora te estendem a mão como se estivessem ali desde de o momento em que passou o primeiro colocado, apenas para te cumprimentar.

Ainda com as pernas frias consegui trotar e entrar no clima da chegada.

Eu e um mexicano, que deu um espetáculo a parte pulando junto a cerca para bater na mão de todas as pessoas que estavam acompanhando.

Foi contagiante demais. Uma cena inesquecível.

Vendo aquele sentimento de felicidade bruta, me senti com vergonha de estar sofrendo pelo que aconteceu e não me estar feliz de estar cruzando o pórtico.

A alegria daquele rapaz me redimiu. E me salvou...

Quem estava nos aguardando era a Chrissie. Ela colocou a medalha em mim, eu disse "muito obrigado" em português, ao que ela retribuiu segurando firme meu rosto e me dando dois beijos.

Posso garantir que, comigo e com todos, não foi protocolar. A gente sabe quando um gesto é apenas formal.

Quando cheguei no hotel e havia 327 posts no Ironbrothers. Todos acompanhando a minha prova aqui. Me senti uma celebridade em meio aquele grupo de triatletas e, principalmente, de amigos.

Foi um dia muito duro, certamente o mais duro desde do momento em que comecei o triathlon.

Talvez essa "surra" tenha acontecido para que eu voltasse a origem, aos valores que eu, na intenção de querer sempre mais ano após ano, me esqueci.

Reaprender a ouvir com a devida atencao e cuidado "Você é um Ironman" foi o grande significado que levo desse Iron.

20 comentários:

baunilha_piovani disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando disse...

Bonito demais! Parabéns Bessa!

Luana Borges disse...

"Parabéns para vc que é de carne, osso e ferro"!!! Como dizem, depois de uma ultra/Iron, nunca se volta o mesmo, e não digo fisícamente, óbvio. Cada chegada modifica o atleta em seu interior, em seu modo de ver e pensar a vida! Parabéns, parabéns mesmo!!! =)
PS. eu faria do mesmo jeito um cartaz para vc, independente do tempo, pq o mais difícil vc conseguiu: terminar!!

Alexandre Vasconcellos disse...

Bessa, você foi um gigante.

Muita, mas muita gente mesmo teria desistindo. Mas você não, buscou suas razões para prosseguir. Isso sim, sem o "bla bla bla" que muita gente fala.

Eu resumo com humildade. Você precisou ser humilde para reconhecer que precisa repensar algumas coisas. Humildade para enxergar a prova de maneira diferente e seguir em frente.

E você disse muito bem, você mereceu muito esta medalha, pela dedicação nos meses de treinamento e na vontade em seguir em frente.

Grande abraço e te admiro ainda mais.

Triathlon Sem Gluten disse...

memoravel momento e um post a altura de tudo. li cada trecho deste post imaginando suas expressaoes. cara, como lhe disse e agora ficou registrado neste seu post. vc é o guerreiro e tem o verdadeiro espirito de um ironman.

Eduardo - TR3S MEIOS disse...

KBessa,
Sem palavras para descrever o que senti lendo seu relato. Para mim vc é O CARA, sou seu fã de carteirinha e tenho muito orgulho de dizer que comecei a seu lado. Agora é hora de relaxar, curtir um pouco. E relembrando as palavras do locutor que nós do IronBrothers ouvimos exaustivamente enquanto aguardávamos sua passagem pelo pórtico: YOU ARE AN IRONMAN!!!

Lu disse...

Sensacional Bessa!
Parabe'ns pela reflexao!! Muito real e muito va'lida!
Amadurecer como triatleta nao e' apenas diminuir os tempos e subir a podiuns, e' perceber o que voce conseguiu perceber diante de uma prova dura e de decepcoes!

Segurei minhas la'grimas ai no final! Rsss.
E fala a verdade; esta' apaixonado pela Chrissie ou nao esta'! Rsssss.
Falando se'rio, ela e' uma pessoa extremamente simpa'tica, humilde e realmente nasceu para ser uma estrela. Vc viu...
Beijo Bessaaa

Daniel disse...

Cara, confesso que não acompanhei sua prova com o grupo pois passei o dia fora ontem e pra piorar, com febre.

Depois que vi, senti a mesma angústia que todos à medida que o tempo passava e não havia notícias suas.

Vi que voce terminou a prova e que foi mais sofrido do que se podia esperar. Tempo de conclusão é irrelevante.

Vou te contar uma coisa engraçada e te garanto que é verdade.

Esta madrugada, no meio tempo entre a sua prova, a comoção geral via facebook e seu descanso merecido, entre um e outro choro do meu caçula, sonhei com um ironman, Não qualquer ironman, mas meu próximo ironman. Só eu sei o quanto sonho com este dia, depois de um ano tão difícil.

Neste sonho, nadei razoavelmente e saí para pedalar. Me indicaram um caminho errado e perdi muito tempo. Depois começou a chover. Chover e ventar muito forte. Meu pneu furou. Parado no acostamento da SC-401 (era o IM Brasil), eu via o vento derrubando as pessoas. Era caótico.

Eu tive certeza que não poderia continuar. Desisti e fui pra casa no quentinho, tomar banho e comer.

Depois, com um arrependimento mortal, vi todas as mesmas pessoas que não foram covardes, terminando a prova, sendo festejadas pelas famílias e por todo mundo que estava lá!

Na hora, já sem saber se estava delirando de febrem, acordado ou dormindo, senti muita vergonha de ter desistido. Queria voltar ao início do sonho, no momento que desisti, para mudar tudo e continuar. Terminar.

Acho que de alguma forma, isso se aplica no seu caso!

Parabéns por não ter sido covarde. Parabéns por não se entregar ao que é mais fácil. Parabéns porque fez o que tinha que ser feito!

Abraço

Hugo Leonardo disse...

Bessa...
demais... acho que vc veio ao mundo pra ensinar coisas pra no's.... rsrs... sou mais seu f~a ainda...
Mas olha... vc podia ter esperado mais 30 segundos pra chegar...
qdo fui colocar meu filho na cama dele, vc cruzou o po'rtico....Perdi sua chegada..... rsrs...

Deise jancar disse...

Bessa
Acho que 2012 está sendo , sei lá porque ,um ano para vc refletir em provas. Caiobá te deu um susto e agora ,uma prova para testar sua paciência.

Texas te marcará mais que uma tatto de mdot.

Parabéns pelo seu amor ao esporte, pelas fortes emoções que passamos aqui como se estívessemos lá te ajudando.

Agora , vai virar celebridae entre os brothers depois dos 2 beijinhos da CW , hein ? rsss

Bjs e boa viagem !!!

Emiltri disse...

Mano,

A prova acontece quando começa. Tudo que foi planejado é lembrança e não realidade. Se vai dar pra seguir o roteiro, só decidindo na hora.

Você fez o melhor possível para o seu dia.

E cruzar ao lado do "brother" mexicano e receber a medalha da Chrissie??!!! Velho, naquela situação vale mais que um sub 10.

Parabéns!!

Max disse...

Bessa,

parabéns. E a propósito,não use vaselina. Use Body Glide :-)

Rafael Pina Pereira disse...

Parabéns cara !!!!!! É ISSO AÍ.

Xampa disse...

Bessa,
essa foi daquelas para te fazer, realmente, macho. PQP !!
E ainda ganhou dois beijos da CW?
Memorável.
Ainda bem que não podia wetsuit. Ah, se vc usasse a minha sem sunga ...

Joka disse...

Karacas Bessa essa foi BROCA man !!! kkkkk Valeu a surra hj vc é um IM calejadão...rs ULTRA PARABÉNS VC É BROCA !!!

Marlus disse...

Vou me lembrar de quanto vc foi guerreiro quando estiver na minha prova no domingo....

Fábio disse...

Parabéns Iron !!!!!!

Fábio
www.42afrente@blogspot.com

Yeda disse...

Que prova!!! lendo o post, sofri com você, mas quer saber, depois desta prova você se tornou mais Iron do que nunca. Curta sua conquista! Bjos

Joel dos Santos Leitão disse...

Vagner,
Que punk, cara!
Acho que foi alimentação. Alguma coisa não te fez bem e você nem percebeu. Essa sede imensa é estranha demais. Será que ficou desidratado no início e nem percebeu?
Pra mim não mudou nada. Você continua sendo o Vagner Bessa que se supera a cada dia, mas que nessa prova específica, por fatores alheios à sua vontade, teve que 'parar'.
Aliás, legal você ter continuado. Penso que isso faz toda a diferença... Provavelmente não vai tirar sua autoconfiança, mas vai te deixar mais leve.
Isso é apenas experiência, Vagner!
Parabéns e forte abraço!
Joel

George Volpão disse...

Esse texto estava marcado com estrela no meu Reader, para saboreá-lo como sempre faço com os textos que sempre publica. Gosto muito deles e valorizo cada linha que aprecio. Super Vagner, fazer um IM assim é mais emocionante, válido e, depois de curadas as feridas, mais encantador do que quando tudo dá certo, não acha?

Parabéns pela persistência e por compartilhar conosco!

Grande abraço, sou fã!