domingo, 21 de dezembro de 2008

Semana de Treino

Essa semana, treino semelhante a segunda - um pouco de volume, um pouco de intensidade. Na segunda, treino com tiros de 30 segundos, na terça spinning e natação, quarta uma hora de 20 minutos de corrida, na quinta natação e spinning, sexta-feira day-off, no sábado o que eu quisesse e no domingo duas horas e meia de bike.

Bom, tive que fazer alguns ajustes - o treino de segunda foi feito na sexta, a bike de duas horas e meia no sábado e no domingo, o longo (na verdade, um longuinho, mas que fui duro de fazer por pura indisposição).

Sei lá porque, o Polar caducou. Mas, acompanhando um pouco a filosofia do Ironguides, estou quase utilizando o monitor apenas como relógio.

Nunca treinei por faixas de FC e nem mesmo cheguei a utilizar as informações do Polar no software para fazer avaliação de desempenho. Dou download das informações por curiosidade, para saber a queima de calorias, quilometragem da semana e registro dos resultados das provas.

Entretanto, me pergunto para quê tanta tecnologia se não uso as informações que ela produz.

Não sei porque, estou perdendo a curiosidade. Ando um pouco encanado com essa coisa de muita tecnologia em monitores, tênis e bikes, ainda que esteja com inveja do garmin que o Edú comprou, da vontade de ter um newton que eu suspeito que se adaptaria ao meu tipo de pisada, de um Okley que o Edú também comprou :-((((, da camisa de compressão da 2xu (que espero que a Eli me mande da Austrália) ou de uma Cérvelo (rs).

Acho que é um pouco a vontade de ter brinquedos...(aliás, nada contra...)

Mas o meu mal humor vai além: páginas em comunidades do Orkut e matérias em revistas sobre como correr, como escolher o tênis, como isso, como aquilo tem me deixado um pouco espantado. Certamente, é bem interessante a existência de uma cultura do triathlon, de uma filosofia de vida, que fala sobre treinos, alimentação, desafios psicológicos, superação. Guando a tudo isso se agrega tecnologia, como a Internet, acho fantástico! 

Mas há de se tomar cuidado com o consumismo. Depois que li um texto que o Vinícius postou no Ironguides sobre tênis, acho que muita discussão sobre equipamentos tira o foco dos treinos. O conceito é simplicidade - se você se dá bem com o que você tem, isso é o que importa. O meu kayano, por exemplo, me faz bem por um único motivo: ele não me dá bolhas no pé.

No fundo, toda o markting da indústria de material esportivo está baseado em uma cultura de massas que não deveria ser a cultura do triathlon. 

Tenho notado que há várias pessoas que correm com o único intuito de justificar uma compulsão consumista - quando poderiam correr para ficarem menos dependentes desse tipo de compulsão, começam a treinar para terem mais objetos a serem consumidos.

Enfim...




 



2 comentários:

Denys disse...

Cara, estou boquiaberto e nunca hei de boquifecharme. Nem parece que o Vagner está escrevendo isso.
E eu nem deveria escrever o que vou escrever a seguir...
...nem parece que eu sou um lojista.
Ter um Polar 725X, completo, é o sonho de um monte de triatletas.
Mas, sinceramente, acho uma baita besteira. Pura vaidade.
Quando a gente começa a treinar: spinning, corrida a pé, esteira, até acho que um frequencímetro é necessário. Depois de algum tempo o tal do frequencímetro passa a servir de relógio mesmo. Atualmente nem a fita transmissora eu coloco mais.
Tênis é outra coisa interessante. Os Mizuno Creation 9 (nem sei se já tem o 10) custam uma nota preta. Aliás, uma nota não, um monte delas. Já me disseram que os Asics são tão bons quanto ou até melhores. Já elogiaram muito os NewBalance. O que interessa é o conforto. Não fez bolhas - valeu!
Bikes então, humpf, sem discussão. Tem muito triatleta correndo com bikes pesadas, somente com 9 velocidades, até sem clipe, e que dão um trabalho danado para os donos das Carbon.
Como lojista passei a observar meus clientes e consegui ter uma visão muito interessante de tudo isso.
Alguns têm muito dinheiro e só querem produtos "top" - mas não chegam a "lugar nenhum" com seus superequipamentos. Alguns não têm dinheiro e vivem "remendando" seus equipamentos - e conseguem posições de dar inveja.
Bom, como o Vagner disse, nada contra. Quem quiser gastar mais, fique à vontade. Quem não puder gastar muito, também existem boas opções a baixo custo.
Acho que o importante é estar lá, competindo, suando, superando.
Na minha opinião o que faz a diferença mesmo é a dedicação - o treino.
Levantar TODO DIA às 5 da manhã para correr nadar ou andar de bike, seguir uma alimentação compatível com os treinamentos, dedicar-se de corpo e alma ao esporte...ser "caxias" ao ponto de não "furar" ou não "roubar" nos treinos - isso realmente transforma o sujeito em um bom triatleta e supera tudo.

(bom, claro que uma Specialized Transition ajuda...rsrsrs)

Xampa disse...

Acho que vc vai merecer um capitulo a parte no livro do cara, hahahaah