quinta-feira, 27 de junho de 2013

Have Fun....

Para quem toca a vida querendo fazer um Ironman no primeiro semestre e faz, o ano acaba cedo.

Agora estou tentando voltar para o 70.3 do segundo semestre.

Mas não está fácil.

Depois de um primeiro semestre intenso, voltar a treinar é um enfrentamento físico e psicológico que tenta me derrubar todo dia.

Quando treinamos para o Iron erguemos alguns pilares e nos mantemos firmes neles durante um bom período - levantar cedo, treinar, alimentar-se corretamente e descansar.

Mas quando esse período tem fim, a rotina dos dias banais sem os treinos fica bagunçada. A disciplina, querendo-se ou não, coloca as coisas no lugar e sem ela eu me sinto meio desnorteado.

Por isso essa parada que se segue depois da prova não é uma maravilha como a gente imagina.

Tudo aquilo que eu gostaria de fazer quando estava no pico de treinos e não podia, como sair com mais freqüência, levantar mais tarde no final de semana, ler mais livros ou simplesmente ficar sem fazer nada não é tão bom quanto parecia que seria.

Então a gente tende a ficar um pouco ansioso querendo voltar aos treinos.

Mas ai....

Mas ai vem as dores do retorno.

Todo mundo sabe que treinamos forte durante meses, mas o descondicionamento ocorre em poucas semanas. Ainda que os treinos sejam bem tranqüilos, o coração dispara em certos momentos e as dores musculares voltam.

Embora isso seja natural e necessário, convenhamos que é muito ingrato.

Resumindo....

Treinar dói. Parar de treinar, dói. Voltar aos treinos, dói.

Tudo dói!

E foi com essa lupa que li o último texto do Topan no MundoTri sobre a depressão pós-iron e como voltar aos treinos.

A partir de uma abordagem pessoal, ele conta que, depois de um ano sabático, retoma ao triathlon e indica que isso só tem sentido quando se retoma também o próprio prazer pelos treinos e pelas provas.

"Bons treinos e, principalmente, have fun"

Escuta, é só comigo ou tá todo mundo se divertindo e ninguém me conta onde é a festa?

O pode ser um Ironman no Pólo Norte ou uma corrida no Saara, a mensagem é "nunca se esqueça: divirta-se".

Acho interessante que o mundo triatlético seja especialmente rico mensagens contraditórias.

De um lado, esse esporte é visto como pura superação. Nós nos emocionamos com pessoas cruzando a linha de chegada do Ironman colapsadas, outras se arrastando no chão desprovidas de qualquer coordenação motora ou atletas lutando contra a hipotermia depois de enfretarem o frio extremo em águas geladas.

Os vídeos de maior sucesso no Youtube passam a seguinte mensagem: "quanto pior, melhor".

Mas, por outro lado, é muito comum aquele otimismo espiritual que nos faze lembrar que o motivo de tudo é "a jornada", "o prazer de se sentir vivo" ou uma "integração com a natureza".

A cereja do bolo é o famoso "enjoy".

Na boa: você entende essas coisas?
 
Alguém vai retrucar e dizer que não há contradição nenhuma, que exageros e situações extremas existem em todo lugar e são desvirtuamentos que ocorrem quando nos deixamos levar pela perspectiva "competitiva" do troço.

Tá bom.

Mas se é para se "divertir", por quê não ficarmos nos treinos de 45 minutos na piscina, nas corridas de 10 km ou nas aulas de spinning?

Por quê alguém escolhe um esporte que até na perspectiva de "lazer" é difícil de lascar, com treinos todos os dias, algumas vezes em dois períodos e longos de bike e corrida no final de semana? Isso sem falar de despesas altíssimas que envolvem gastos com equipamentos, assessorias, nutricionistas, mensalidade da academia até a inscrição em provas tão concorridas que lembram a meninada quebrando tudo para achar o convite dourado no "A Fantástica Fábrica de Chocolate".

E, sejamos honestos: mesmo quem começa leva as coisas na base da diversão sabe que quanto mais se treina, mais nos envolvemos com o aspecto competitivo das provas - não importa se brigamos pela 53° colocação na categoria ou a 763° na geral, mas a gente sempre olha a lista de classificação e adora o tal "PB".

Ah, sim... Alguém poderia insistir "tudo bem que os treinos são duros, mas temos a oportunidade de nos divertirmos ao fazermos provas em lugares que parecem um paraíso".

Uma vez estávamos conversando em uma rodinha de amigos depois do treino no Riacho e perguntaram para o Marden Motta se ele não achava sensacional aquela paisagem estonteante em Pucón, onde a gente pedala ladeado por vulcões e por uma floresta linda.

Ele disse "Sim, claro! Como não?"

Ai complementou sorrindo "Depois da prova eu pego o carro e vou lá olhar!"

A verdade é que Pucón ou Penha, Pirassununga ou Caiobá, Canelas ou Brasília, eu só vejo o asfalto.

Por quê o triathlon tem que ser divertido quando o que a gente sente é exatamente o oposto????

Entre os corredores as coisas são mais definidas. Espia esse trecho do livro do Dean Karnazes:

"CORRE NÃO É DIVERTIDO. É muito difícil para ser divertido. Até mesmo os corredores mais dedicados não descreveriam a experiência de realizar um treinamento típico - sem mencionar competir em uma prova - como divertida. Adoro correr tanto quanto qualquer um na face da Terra, mas não estou mais inclinado a descrever a experiência de corredor como "divertida"do que qualquer outro corredor, a menos que eu esteja acompanhado, caso em que a diversão não se refere à corrida, mas as pessoas."

Mas se corrida não é diversão, qual o motivo de se correr?

Ele tem uma mensagem enfática: a paixão.

Entre nós também tem disso.

Quando a Chrissie Wellington anunciou que estava desistindo do triathlon profissional dada o exaustivo processo de treinamento, o que incluía levantar as quatro da matina para treinar, não lembro quem escreveu com um jeitão de decepcionado,

"É que ela não tem amor..."

Parei...

Amor pela familia, por um projeto de vida, por uma causa, por valores, pela bike eu entendo...;-)

Amor é uma palavra cheia de leituras.

Quando era menino e aprontava alguma coisa minha mãe era daquelas que descia o cacete sem dó.

E apanhei, viu? Nossa senhora...

Fugia quando dava. Por baixo da mesa, pelo portão, pela porta, pela janela...

Um dia uma vizinha perguntou "Mas dona Eva, por quê esse menino apanha tanto???? A senhora vai matar ele".

Minha mãe, que provavelmente passou pelo mesmo e morria de medo que eu me desvirtuasse nas ruas, olhou pra mim e disse,

"É por amor dona Lucilha, é por amor..."

Acho que é por isso que quando uma mulher chega pra mim e diz "vem cá, amor" instintivamente dou um passo para trás ou disfarço uma dor no pescoço para olhar em volta e ver se tem alguma janela aberta caso eu precise me jogar por ela.

Em resumo eu não me encontro nessas opções que estão ai, isto é: fazemos triatlhon para nos divertir, para competir ou por amor.

Não haveria uma outra alternativa no cardápio?

Meu perfil  é aquele que não tem "paixão" gratuita por nenhuma atividade, mas um fico gratificado quando o trabalho duro é recompensado pelo resultado.

E para ficar claro, "resultado" não é obtido apenas quando se compete - isso é uma confusão que muitos fazem quando compensação vira sinônimo de pódio, vaga para mundial ou destaque no "feicebuque".

Resultado é outra coisa...

Que eu também não sei bem o que é...;-)

Algumas pessoas podem achar que o que vou dizer um horror, mas honestamente o triathlon se tornou, pra mim, um trabalho.

Pé-pé-pérai que eu explico!

De certa forma, nós temos a idéia de que trabalho se identifica com uma atividade remunerada, que envolve realização pessoal para alguns, ou emprego forçado para outros; já "lazer" é o tempo dispendido para o divertimento.

E nós, amadores que somos, colocamos o triathlon na caixinha do lazer, no campo das coisas que fazemos em "nossas horas vagas" - porque as outras são dedicadas ao trabalho.

Por isso há um estranhamento natural quando eu digo "para mim o triathlon é um trabalho", pois apenas no caso de um profissional o triatlhon seria entendido dessa forma.

E nesse mundo as coisas ficam em seus devidos lugares e os papeis são muito claros.

Mas tenho dificuldade com isso.

Frente a um resultado decepcionante quem realmente se sente conformado quando batem no nosso ombro e dizem  "pôxa, não se esqueça que você é um amador" ou "não se esqueça que o motivo de tudo isso é se divertir"?

Se você diz "sim" é apenas por formalidade, porque da boca pra fora.

Não é um comportamento típico de quem encara a coisa como um hobby ficar decepcionado, mas no intimo, lá no fundo, nós ficamos.

Ou pelo menos eu fico, vai....:-)

E se essa distinção entre o trabalho e lazer for artificial, quando não falsa?

E se a idéia de trabalho tiver um significado mais amplo?

O trabalho sempre existiu e não pode ser entendido como "emprego" e muito menos confundido com uma "profissão" - o que nos desobriga desde de logo a entrar na discussão sem fim sobre "amadores" x "profissionais".

Há várias definições de trabalho. Eu particularmente gosto daquela que tem origem em alguns autores que me servem como uma lanterna no escuro.

Tal entendimento diz que o trabalho não é apenas fonte de riqueza e atividade que visa suprir carências sociais, mas a maneira exteriorizamos nossas subjetividade e nos relacionamos com os outros. É ainda a forma como lidamos com obstáculos exteriores para desvendarmos nossas potencialidades e descobrirmos quem somos. O trabalho nos humaniza.

Para entender esse conceito, nada melhor que uma pergunta que poderia ser feito por uma criança.

"O que você faz?"

No susto, alguns amigos meus diriam "sou médico".

Mas não pense como eles.

Separe as atividades conforme aquela definição lá em cima de trabalho, isto é, considere tudo aquilo que envolve a satisfação de suas necessidades, mas também aplicação, desafio, vocação e lhe proporciona crescimento pessoal, além de retribuição e reconhecimento.

Por esse critério, várias atividades que você achava que seriam apenas "passatempo"poderiam ser entendidas como "trabalho" - talvez até de uma forma que você nunca pensou.

Claro, é muito provável que a grande maioria delas não lhe sirva para pagar as contas e você não sinta legitimidade para abraça-lás, muito embora exijam grande dedicação e tenham um tremendo sentido de realização pessoal na sua vida.

Um amigo meu, por exemplo, trabalha na área de recursos humanos da minha empresa, mas é roteirista de teatro e tem um blog para cinéfilos. Outra amiga é professora universitária, desenvolve pesquisas e atividades na área de mobilidade urbana por meio de uma ONG que ela mesma fundou e ainda traduz livros. Outro é economista/escritor e faz trabalhos com cerâmica e, por fim, ainda me lembro de um colega que vive dando aulas de estatísticas, línguas  e também é músico de estúdio.

O que disso tudo é trabalho?

Não, me deixa refazer a pergunta: o que disso tudo não é trabalho?

O que de fato ocorre é que hoje explodimos a nossa identidade, que não pode mais ser entendida apenas pelo campinho de ocupações que você preenche no imposto de renda: "advogado", "economista", "administrador", "engenheiro", "médico", "arquiteto", "psicólogo", "contador" etc etc etc.

Como diz Marci Alborer, temos apenas uma personalidade, mas muitas vocações que podemos desdobrar para a construção de múltiplas carreiras se assim desejarmos. Muitas pessoas poderiam descrever a si mesmas como "advogado/professor/escritor; publisher/fotógrafo/professor; engenheiro/jornalista/redator/blogueiro; economista/advogado/publicitário/chef/; psicolóloga/designer de moda entre outras tantas combinações.

Ana Lidia
Não é interessante que em blogs, twitter e páginas na internet o campo "quem sou eu" seja preenchido por "administradora e triatleta", "técnico em TI e maratonista", "jornalista e corredor" e não "médico e triatleta" complementado por um tímido "nas horas vagas"?


E por quê queremos mais que um "enjoy"?

Porque no fundo temos a expectativa de que um grande esforço seja retribuído por um sentimento de missão de vida e relevância.Na grande maioria das vezes não é "gostoso" e muito menos nos dá retorno imediato.

Uma vez estava preparando uma aula de economia e assistindo uma palestra no TED sobre como os indivíduos tomam decisões. Lá pelas tantas a palestrante, uma antropóloga, faz um comentário passageiro que me chamou a atenção: não há nada na evolução que indique que os seres humanos nasceram para serem felizes.

Diferentemente da tristeza e da depressão, a felicidade não é um estado de ânimo perpétuo, mas uma conquista renovada.

Por certo, ela não é um golpe do destino.

O que nos faz sair da cama todo dia é a busca dessa conquista. Uma das armas que temos para isso são as nossas vocações. Quando descobrimos que temos várias delas, aumentamos as oportunidades de realiza-lás - mesmo que algumas das coisas mais importantes que fazemos não nos dê rendimentos para pagar o carnê do carro ou comprar aquela bike de vinte contos com que a gente sonha.

Mas é uma vida bem mais gratificante, pois nos faz bem quando aceitamos que somos mais do que aparentamos ser.


5 comentários:

Augusto disse...

Profundo.....profundo....

Ulisses Franceschi Eliano disse...

Puta merda! Acho que nunca li um texto que tem tanto a ver comigo do que este. Simplesmente, não tem um só ponto que eu não concorde. Sensacional!

Gustavo Abrell disse...

Boa Bessa, um mês de descanso após o último finish line, renovou seus sentimentos e descreveu tudo ai em cima ! Sensacional !

Guilherme Telles disse...

Oi Wagner,

Rapaz estou emocionado, na verdade maravilhado, com seu blog, suas mensagens. Eu o encontrei absolutamente por acaso. Estava vendo um vídeo no youtube e tive que me logar.Aí descobri que tinha uma conta no Google+ e que estava em seu círculo.Daí foi um passo. Queria matar a saudade, saber como vc está, enfim...E então comecei a ler algumas mensagens suas. Como vc sabe, acho que sabe, não sou nem monoatleta o que dirá triatleta. No máximo o spinning semanal, o pilates e o RPG. A idade é uma ... dádiva (rs). Assim sendo, não conheço nenhum dos termos do mundo tri (mundo tri????), não conheço as provas, as localidades, enfim quase tudo ou quase nada. Mas o que conheço ou sou capaz de reconhecer é a sensibilidade, a honestidade, o talento. E aí cara, você é show! Acredite, fiquei muito feliz em ler suas mensagens.Fiquei feliz porque acho que vc está feliz. Fiquei um tempão sem ler ou acessar as páginas do facebook, onde acho que vc tinha uma conta. Sou jurássico. Mas ao ler suas mensagens fiquei emocionado e levemente invejoso.
Parabéns. Se já era antes, agora torno público, sou seu fã.
Um abração!

deolhonos42 disse...

Tens que atualizar mais esse blog. muito bom!