sábado, 3 de dezembro de 2011

O Pulo do Gato

Neste Blog, tenho o hábito de não responder aos comentários apenas por convenção.

Ela vem da época que eu perdia meu tempo escrevendo para jornais. Sempre ficava puto quando no painel do leitor a tal “resposta da redação” tinha mais espaço que as cartas dos assinantes do jornal.

Da mesma forma que um jornal, entendo que o autor do Blog tem um grande espaço e todas as ferramentas para opinar, enquanto a área de comentários é relativamente reduzida, além de ser de leitura opcional e de pouca visibilidade.

A exposição dos argumentos acaba ficando desigual, sempre a favor do Blogueiro.

Esse não é um modelo mais bacana – na verdade, até gosto mais do Blogs do Xampa, Wlad, Max ou Ana Oliva e tantos outros, na qual há uma interação simpatica entre o autor dos textos e os leitores, com troca de experiências dos dois lados.

Já eu, por outro lado, fico preso as minhas manias.

Quando tenho algo pendente, se tiver o email, escrevo para a pessoa.

E foi o que ocorreu no caso do Max.

Acho que não interessaria para as pessoas explicitar o conteúdo dessa conversa nos termos em que ela foi feita – porque uma parte desses emails são assim: “eu não falei isso, não falei aquilo”, “mas eu não disse que você falou”, “só que ficou parecendo que você falou”.

O que interessa é a parte que eu falei mesmo e ele também….:-))))

A principio, a fim das pessoas terem mais informação sobre o assunto, combinamos que eu publicaria o texto do Max, que está na área de comentário, nesse espaço e uma tréplica minha e quantas "réplicas" fossem necessárias.

Nesse meio tempo, o Max fez um texto, que achei mais estruturado e mais claro que o depoimento que ele deixou aqui no Blog.

Além das próprias idéias do autor, recomendo a leitura do texto em função do debate que seguiu no espaço dos leitores. Lá estão depoimentos e informações valiosas que complementam a linha de pensamento dele.

Clique aqui para ver o texto.

No caso da nossa discussão, achei bastante oportuna a discordância. Ele me tratou com deferência e gostaria de retribuir no mesmo sentido.

Embora as pessoas possam ler as próximas linhas como um texto onde as diferenças se acirram ainda mais, na prática meu movimento tem se dado no sentido inverso.

Então por quê prosseguir com a discussão?

Porque aprofundar a troca de idéias, expor dúvidas e problematizar argumentos é minha forma de expressar respeito a uma pessoa que me deu a oportunidade de um debate que, seguramente, me tirou da minha zona de conforto.

Bons combatentes querem adversários a altura.

Não sei se estou nesse nível, mas vou tentar pelo menos sair das cordas....

Então vamos a mais um round....;-))))

Acho que nenhum de nós dois discordou sobre o seguinte: informação sem contexto, sem interpretação torna qualquer equipamento que gera estatísticas um brinquedo caro.

A discussão não se resume, portanto, não é o "uso", mas o "uso eficiente" de qualquer equipamento que chamo de "máquinas de calculo", que vão de monitores cardíacos a potenciômetros.

Embora tenham funções e propriedades distintas, para a minha linha de raciocínio, isso é irrelevante.

Mas deixa eu azedar a conversa um tantinho.

Em primeiro lugar, a comparação entre potenciômetro ou monitores cardíacos, com rodas Zipp ou aerobar, tênis ou óculos, é uma discussão que não cabe.

São coisas que não estão no mesmo nível.

O "custo" (monetário ou não) de umáquina de calculo do quilate de um potenciômetro não se reduz ao que você paga "na boca do caixa", mas também o que você precisa fazer (e conhecer) para usar de forma eficiente as informações que esses aparelho produz.

A questão dos medidores de potência é infinitamente mais complexa, pois exige que você agregue ao seu uso competência para a interpretação dos dados - se você (ou o seu técnico) não faz isso, esse equipamento vale menos que o discutível guidão de carbono - esse você põe na bike e o benefício (na hipótese de existir um) é imediato.

Embora exista, sim, uma diferença importante entre esses equipamentos, no sentido de que com alguns deles você "compra" performance e, com outros, você se torna mais consistente, isso é verdadeiro apenas se você saber usá-los corretamente.

Se não for assim, ao adquirir um MP você pode ter comprado caixa de pandora.

Nesse sentido, e discordando do Max, considero o medidor de potência complexo demais como a primeira compra depois da bike.

Não que ele não tenha razão sobre a pobreza de perspectiva de um sujeito gasta uma fortuna comprando recursos ergonômicos, como capacete aero, pedais mais leves ou rodas de carbono quando poderia estar preocupado com a consistência da sua condição física e atlética.

A minha preocupação é que o pleno aproveitamento desses recursos envolve conhecimentos específicos, sobretudo sobre campos relativamente complexos para leigos, como fisiologia, nutrição, mecânica, fisica e metodologias de treinamento.

Bem mais útil, na minha opinião, seria um rolo ou, antes disso, uma boa assessoria ou, antes disso uma academia onde se pudesse praticar exercícios funcionais ou, antes disso, acesso a uma fisioterapeuta ou, antes disso, um nutricionista ou, antes disso.....

Enfim, se o foco é o indivíduo, há várias coisas que podem ser feitas depois que se compra uma bike e antes que se adquira um potenciômetro.

Mas, convenhamos, pode-se argumentar que isso não precisa ser assim. Não sendo o comprador da bicicleta ou atleta um autodidata, sempre há a possibilidade de se delegar essa tarefa de análise ao coach.

Então um ponto importante é o seguinte: quantos profissionais podem lidar com esses equipamentos no Brasil?

No seu Blog, o Max indicou quatro. Ainda é pouco.

Na minha opinião, a disseminação dos medidores de potência só será efetivamente útil se for acompanhado por um programa de capacitação de técnicos e atletas, tanto com o equipamento, quanto com os softwares que permitem a organização das informações para o planejamento dos treinos.

E esse é um gargalo considerável, embora de jeito nenhum uma barreira impossível de ser vencida.

Mas que tal esperarmos mais profissionais com conhecimento sobre o assunto para comprarmos esse equipamento?

E, agora, vou me arriscar e colocar outro ponto: eu acho que a gente está com o foco errado.

Como questionar a pertinência ou não desses equipamentos sem discussão prévia sobre metodologia de treinamento?

Imagine uma cena insólita: voltamos ao tempo, no ano de 1948, oferecemos nosso mais poderoso Garmin do século XXI a um corredor romântico chamado Emil Zatopec, que estava ali naquelas paradas da Europa Oriental fazendo seus treinos intervalados pela manhã e a tarde.

Ele certamente ficaria curioso. Iria examinar o aparelho. Explicaríamos a ele os recursos do monitor e todas correlações estatísticas entre VO2, lacto, recrutamento de fibras e por ai vai.

Tudo isso, claro, pressupondo que ele fizesse treinos baseados em freqüência cardíaca.

O "detalhe" é que essa metodologia ainda não tinha sido inventada e esquecemos de trazer um treinador do século XXI para poder utilizá-la.

Houston, we have a problem...

Certamente, aquele corredor ficaria com o relógio, até acabar a bateria - depois ele voltaria ao seu velho e eficiente relógio de ponteiro.

O que quero dizer com isso é que a questão não são "monitores cardíacos".

Eles são ótimos!

A questão central é o que temos a dizer sobre treinos baseados em zonas de freqüência cardíaca.

Trocar o debate sobre métodos de treinamento pela utilidade ou não de máquinas de calculo significa transformar esses aparelhos em "fetiches" - defensores e detratores projetam nesses objeto como quê poderes mágicos, negativos ou positivos, que podem nos salvar ou nos levar a pro buraco.

No meu entender, a chave que abre todas as portas não são gadgets, mas a filosofia de treinamento.

Quanto a gente não tem clareza sobre isso, fazemos um sururu por nada...

Isso fica explicito quando aqueles que defendem os medidores de potência (ou monitores cardíacos) não conseguem aceitar que os indivíduos tenham outro tipo de conhecimento ou feedback sobre seus treinos que não seja em Watts.

É comum a frase "Ahhh, sujeito treina no escuro", que expressa uma tal falta de bom senso que dispensa discussões.

E, muito sinceramente, para não dizer que sou (totalmente) parcial, tão ruim quanto esse raciocínio, é o seu oposto, que afirma que aqueles que usam instrumentos de medição abdicam totalmente do seu autoconhecimento.

Esse debate é estéril.

O pano de fundo de tudo que se discute sobre gadgets é outro.

Pelo menos até onde consigo enxergar as coisas, existe uma bifurcação de filosofias de pensamento que se colocam em lados opostos pessoas favoráveis e não favoráveis ao uso desse tipo de tecnologia.

Há uma escola, captaneada pelo Brett Sutton e atletas como Chrissie Wellighton, Chris MacComack e toda uma linha de pensamento que daria oriem a metodologia do Ironguides por meio do trabalho do Marc Becker. Essa vertente tem por base a percepção de esforço.

Nessa perspectiva, a sensibilidade sensorial é uma capacidade que deve valorizada. É a nossa sensibilidade que mantém nosso contato com a realidade.

Tudo bem que alguns ironizam e dizem que nessa corrente o Brett é um pouco peculiar - os indivíduos tem seu próprio nível de percepção de esforço, mas se ele não concorda ela, a última palavra é dele. :-)

Bom, nesse linha, atletas que tem sua sensibilidade aguçada são mais confiantes, improvisam e são capazes de assumir mais riscos que aqueles que correm em ritmo pré-definido.

Para o Macca, por exemplo, se ele "sente" que pode partir para uma fuga, ele não olha para o relógio - ele simplesmente "sabe" que pode.

Isso coloca em questão o raciocínio do Max, que cria uma disjuntiva questionável entre uma perspectiva competitiva baseada no uso de potenciômetros e outra, não competitiva, baseada no uso dos sentidos.

A segunda escola, mais quantitativa, é utilizada por técnicos com Hunter Allen e atletas do naipe de um Jordan Rapp e Andy Potts.

E, muito interessante, enquanto o primeiro time é mais radical e homogêneo, o segundo tem uma abordagem mais variada e flexível (e mais rica, na minha opinião).

De forma geral, advogam que o desenvolvimento das habilidades relativas a percepção de esforço levam tempo, quando não anos, e os gadgets podem dar um feedback mais rápido do que realmente aconteceu, permitindo avaliar como o treinamento está progredindo e quais os ajustes necessários para o atleta tentar ultrapassar suas metas ao longo de uma temporada.

Mas há opiniões diferentes também de como usar os MP entre seus defensores.

John Cobb afirma que os números produzidos pelos medidores de potência deveriam ser lidos apenas pelos coachs, enquanto os atletas deveriam se ater as provas ou, mais especificamente, aos aspectos táticos da competição sem esses equipamentos.

Já Rapp vê no potenciômetro uma vantagem competitiva se usado tanto em treinos quanto em provas.

O balanço disso?

No meu modo de ver, o "pulo do gato" seria a superação dessa dualidade entre Sensibilidade x Gadgets, entre o Mundo Vivido x Mundo dos Sistemas.

Como diz o Vance Store, um defensor dos gadgets, "Ferramentas que fornecem dados sobre sessões de treinamento são o feedback mais puro que existe, e quando usadas em conjunto com o feedback do atleta, torna-se ainda mais poderoso".

Agora, gostaria de dar um depoimento honesto sobre essa discussão toda.

Porque eu não queria esse Blog fosse lugar para uma análise fria de correntes teóricas, tal como um artigo acadêmico.

Eu assumo minha parcialidade como uma posição pessoal.

Ela existe, sim. É fato.

E toda a parcialidade nos impõe "pontos cegos".

Os meus costumam ter a dimensão de um buraco negro... ;-)))

Quando questionei o uso desse equipamento com o Felipe Amante, começamos uma discussão muito didática (pra mim) sobre o assunto.

Discussão que, na ponta do lapis, ele mostrou ter mais razão que eu, diga-se.

No final, como já escrevi em algum lugar, joguei a toalha e aleguei a ele que a minha resistência no fundo tem razões pessoais, já que meu trabalho é com estatísticas.

Eu sei exatamente o significado de "trabalhar com dados".

Ao envolver "dados" no esporte significa tratá-lo como objeto de análise.

Significa transformá-lo em um prolongamento do meu oficio.

Eu não sei se quero "treinar melhor" e de "forma mais eficiente" se o custo de fazer isso for esse.

Mas tenho certeza que quero nadarpedalarecorrer.

Se o triathlon fosse apenas medido em watts, muito pouco restaria pra mim.

No meu caso, mesmo "competir" é também uma coisa lúdica.

Minha sanidade e meu prazer com o esporte depende de um lugar em que posso fazer algo que não seja medido por "taxas", "indices", "indicadores", "bits" ou "watts".

Isso faz parte do rol de questões para explicar o meu "romantismo".

Em um sociedade em que tudo somente é valorizado enquanto é medido e se chega ao cúmulo de almejar um "PIB da Felicidade", tal atitude envolve uma certa negação de valores dominantes.

Assim como fazem aqueles que, em uma sociedade mercantil e utilitarista ao extremo, se dizem mais preocupados com o "Ser" do que com o "Ter".

No fundo, nós todos somos românticos ;-)))))

13 comentários:

Triathlon Sem Gluten disse...

Tenho duas frases para este post:

1)Minha nossa !!!!!

2)"Começe fazendo o necessario , depois faça o possivel e de repente você estara fazendo o ímpossível!!!!" by Susana Schnarndorf (atleta brasileira para-olímpica, medalha de bronze no Pan de Guadalajara)

Abcs,

Pablo Bravo disse...

Vagner, texto impecável, final do mesmo perfeito.

Se o cara quer performace, tem que medir, tem que analisar, tem que sentir e por aí....

Se o cara curte o nadapedalacorre como válvula de escape para o dia-dia....aí faz o que te deixa feliz.

Abraço

Xampa disse...

Perfeito, perfeito, perfeito.

Acho que a metodologia é mais importante. Mas, bora ler o livro que o Max indicou. Está a caminho.

ABS e parabens pelo texto.

Off-season é o cacete.

Artur Araujo disse...

Vagner tu sempre escreveu muito bem.Mas agora tá escrevendo difícil demais pra minha cabeça.Na boa,eu prefiro ficar na minha ignorância mesmo.Aprendi bastante com todos os técnicos que tive e não foram poucos.Vi todas as vertentes do treinamento desde os meus 8anos de idade,quando comecei a treinar sério na minha vida.E te digo que cansei amigão,cansei de tudo isso.Algumas coisas eu quero usar e uso,outras penso em usar e desisto.Por isso não tenho mais técnico,por isso não gasto mais meus petrodólares que estão muito escassos,em coisas que não sei, se vou enjoar daqui há um tempo ou simplesmente não saberei usar.
Hoje em dia eu faço meu treinamento,pode ser cômodo mas acredite,hoje em dia me cobro muito mais do que antes.As vezes treino sem relógio,sem velocímetro e as vezes até sem raciocínio.Só sinto a minha respiração e o meu coração batendo.Outras vezes saio igual a um astronauta,cheio de parafernália.Se vou ser melhor ou pior,não quero mais saber.Eu busco melhorar,mas não vai ser por causa de nada que eu use ou por alguém, e sim por meus esforços e vontade.Me lembro de uma vez que cheguei em uma loja e um cara falou do pedal speedplay.O cara disse que o pedal fazia milagre.Eu falei pra ele meu amigo eu vou comprar o pedal,mas não pq ele faz milagre como vc disse.Somente pq eu quero,enjoei do look e eu testei esse uma vez e gostei.Somente por isso,pq eu sei que ele não faz milagre.Agora comigo é assim,se gosto blz,se não gosto que se dane.É um jeito egoísta de ver as coisas,mas vai dando certo na medida do possível.Grande abraço irmão e desculpe pelo texto.hahaha

Rafael Pina Pereira disse...

Ótimo texto. E como já li, o que separa o grande atleta do bom é a capacidade de usar todas as informações à mão para tomar as melhores decisões. E medidas, frequencias, velocidades, cadências, watts, percepções, sensações, tonturas e ânsias, são todas informações relevantes a serem devidamente misturadas e tratadas.

Abraço

Aninha disse...

Estupefadamente estupefada... (como diria o Ciro... Rs)...
Eh assim q estou...:-)
Eh impressionante a sua capacidade/ facilidade de se expressar atraves da sua analise cartesiana - isso NAO eh uma critica, mas SIM um ELOGIO! :)
Faz muito sentido seus argumentos...
Estivemos numa palestra do Sturla neste final de semana... Ele tambem eh da "tchurma" dos que treinam pela percepcao... Percepcao de "afogamento"...
Vou ter q reler o post... Muita informacao p/ o Tico e Teco processarem! :))
Mas... Sim... Faz sentido...
E... Obrigada por citar meu blog... :-)
Muito honrada...
Qdo acaba a quatentena? :-(

Obrigada por expor de forma tao clara seus argumentos e forma de pensar!

Aninha disse...

Qto ao romantismo...
Vc tem razao...
Se ele nao existisse, nao existiria sonho...
Sonho... Desejo... Foco... Treino... Treino... Treino... Cada um com suas motivacoes e em busca da conquisra de seus proprios objetivos... Seja de forma extremamente competitiva ou nao.

Guto disse...

Bom, tinha feito um texto mais analítico e bonito, mas como não foi, vou tentar resumir um aqui. Concordo com a Ana em como vc consegue passar tanta informação de uma forma que conseguimos entender e sem ofender a nenhuma corrente de pensamento. Eu, como comentei no blog do Max e copiei de um outro comentário, sou um pangaré ainda (quer dizer, nem sei se vou evoluir, a gente nunca sabe, a gente espera que aconteça e faz por onde é claro) e para mim o MP seria desnecessário, até ver o comentário que o Gandelini fez lá no Max. Vendo por outro lado, se tiver disposição financeira e alguém ou vc mesmo, para analisar o que o MP te dá, mesmo sendo um pangaré, a evolução aconteceria de forma mais previsível e planejada! Mesmo assim acredito que a diversão, motivação deva estar acima dessas ferramentas, sejam elas quais forem.

Gostei do comentário do Artur, tem horas q sair p treinar sem nenhuma parafernália é muito mais divertido. Outros momentos precisamos de alguma referência.... tb sou assim, enjoo fácil das coisas e preciso me divertir, mesmo que essa diversão te faça sofrer, como em um treino bem feito. Tudo isso com ou sem MP.
Abs

Guto

Guto disse...

Correção: onde eu disse Gandelini é Gardelin, Guilherme Gardelin. Foi mal....

Denys disse...

Mas...o que vocês estão discutindo mesmo???

Profissionais (atletas e técnicos) sabem SE devem usar equipamentos de tecnologia, COMO E PORQUE.

Entusiastas...preocupem-se com uma boa alimentação...um bom método de treino...foquem nos treinos e nas possibilidades de auto-superação.

O entusiasta quer saber qual a potência de pedalada dele...para comparar com o que? Não pode ser para comparar com a potência de pedaladas de um atleta profissional. Para comparar com outro entusista? Isso parece papo de "o meu é maior que o seu"...e o outro diz..."mas o meu é mais grosso".

O que está faltando? Qual tamanha é essa necessidade de adquirir, adquirir, adquirir??? Está ganhando muito? Aceito doações!

Max disse...

Na boa, tem gente que realmente deveria se informar mais antes de escrever....mas....tudo bem.

Bessa,

vou sempre frisar - a minha abordagem é para o atleta competitivo, e isso faz toda a diferença. Quem está com o modo competitivo "on" vai ler o que escrevemos de uma forma, e os demais "civis", de outra.

Resumidamente, sobre o seu texto:

- PE, FC e demais não são inválidas - apenas deixam de ser a referência central;

- aletas profissionais e adeptos da PE podem utlizar o MP para validar (ou invalidar) sua percepção. E no caso de profissionais, a treinabilidade deles, e o auto-conheciimento associado, e tão infinitamente maior que a nossa, que eles, muitas vezes por tentativa e erro, foram acertando ritmos empiricamente. Só que isso demanda tempo, e tempo para muitos de nós é mais escasso que dinheiro.

No fundo, a discussão - como todo o bate papo saudável - é sadia mais pela troca de informações em si do que pelo convencer outrém da nossa opinião. Assim como vc. e o Ciro, eu estou seguro da minha.

Vamos caminhando portanto não em fila indiana, mas em paralelo - trocando idéias, agregando conhecimentos, e revendo conceitos.

Abraço,

Max

Vagner disse...

Enviado pelo Marden Mota
Não tenho conta para inserir comentario no seu blog, logo vou postar por aqui. Se vc achar conveniente pode postar.
Não uso MP. Não sei usar direito nem meu garmin, quem dirá um MP. Sou do tipo ogro que graças a Deus e minha genética nunca me lesionei. Sempre ouço meu corpo. Se acho que vai dar eu continuo, caso contrário, eu paro sem dor nenhuma na minha consciência. Vejo o progresso de muitos, acho louvável e admirável, porém vou na minha batida que vem dando resultados muitos expressivos para minha pessoa, mesmo ainda não tendo conseguido correr um IM abaixo de 10hs.

Já cansei de sair para pedalar mais de 100k só com água ou uma garrafinha de malto e 2 GU. Não sou exemplo para ninguém. O investimento num MP é sem sombra de dúvidas muito caro. Demais de caro. Lá fora já é caro. Imagina aqui no Brasil. Prefiro investir numa viagem TRI para qualquer outro lugar por 7 dias. E no final das contas vc vai estar fazendo uma prova num lugar novo e realizando uma prova de um esporte apaixonante.

Também cansei de ver pessoas com este ou aquele "equipamento" dizenndo que se tornou mais veloz ou melhor ou mesmo sei lá o que ... e no fundo continua girando um short para algo em torno de 1h40, olímpico para 3h, meio em 6h30 e IM acima 15hs. Basta ver as estatísticas.

Somos quase todos amadores. Não ganhamos dinheiro com isto, apenas satisfação pessoal e bem estar. Saúde eu as vezes discordo. Muita intensidade é demais também.

Fico do seu lado, se é que isso existe. Não uso MP e acho que vou demorar muito para ter um. Ainda preciso lembrar de carregar a bateria do meu Garmin e de levar alguns suplementos nos dias de treinos mais intensos.

Grande abs de um atleta amador que adora o que faz e as amizades que possui.

Vivendo a Vida Correndo disse...

Vagner,
Ronnie,

Desejo a você e sua família um ano novo cheio de prosperidade e realizações. E que 2012 seja repleto de SUCESSO, PAZ, AMOR , SAÚDE e muitas ALEGRIAS.....

Um abraço!!!

Fernando Moura
www.vivendoavidacorrendo.blogspot.com