segunda-feira, 7 de novembro de 2011

70.3 de Miami




Bom, antes de tudo: o texto ai embaixo ficou enorme e difícil de ler.

Porque as vezes a gente escreve para as pessoas que gostaríamos que estivessem conosco na viagem, fazendo um relato mais detalhado pensando em sermos os olhos delas, enquanto em outras há o medo de se deixar passar algo importante que não se quer esquecer - mesmo sem ter a certeza de que esse "algo" é tão importante assim.

E também confesso que estou cada vez mais prolixo mesmo.

Bem, como devo ter contado em algum lugar, quando terminei o IM Brasil, conversei com o Rodrigo Tosta sobre um outro IM ainda esse ano, pensando particularmente Cozumel.
Dentro do que ele pensava para minha evolução, dois IMs seguidos não seriam muito produtivos. A idéia seria continuar trabalhando minha velocidade e, para isso, poderíamos fazer duas provas com a distância 70.3, intercalando com alguns olímpicos em 2011.
Daí a proposta de fazer o 70.3 de Penha e outra prova, que ficaria entre o 70.3 de Miami e o Long Distance de Pirassununga.
Como ele iria para Miami e outros amigos estavam aportando por lá esse ano, para mim seria uma boa trocar Pira por uma viagem aos EUA, o que me agrega uma experiência que não tenho - além do fato que não agüento mais apanhar do sol do Pirassununga para depois me plantar na frente do computador cheio de queimaduras e escrever que “foi à prova mais difícil que já fiz na minha vida...”
Em que pese esse planejamento, as coisas não foram tão bem executadas em função de problemas que tive pelo caminho. Passei o segundo semestre todo fazendo fisioterapia; primeiro, em função da lesão da panturrilha, depois, uma lombalgia.
Mas a vivência com esses problemas me ensinou que a trocar o pneu com o carro andando.
(e considerar a possibilidade de pisar no acelerador)
Depois do PB de Penha, o Rodrigo achou por bem que até o 70.3 de Miami os treinos seriam voltados para a manutenção do condicionamento, sem nenhum tipo de sobrecarga, intensidade (a exceção dos treinos na água) ou grande volume
Basicamente, meus treinos foram mais ou menos da seguinte forma.
Natação pelas manhas as segundas (intensidade), quartas (técnica, com natação com fita nos pés e respiração frontal) e sexta-feiras (volume).
A corrida foram as segundas, quartas, sextas e sábados. Em nenhum dia havia mais de uma hora de treino, o pace mais forte seria o ritmo do 70.3 e o foco eram as variações de ritmo. A única exceção foram os treinos de deep running aos sábados, que fiz na Area com o Fabiano, que me esfolou vivo para mostrar que deep não é só fisioterapia. ;-))))
Em relação as bike, realizei apenas um treino no Riacho entre os 70.3 de Penha e Miami. Todos os outros foram no rolo, se limitando à uma hora na terça (treino técnica e velocidade), outra quinta (Time Trial) e três no domingo (leve na primeira hora, ritmo do 70.3 na segunda e um pouco mais forte na terceira).
Como se nota, nada de Junk Miles, como gosta de falar o Xampa.
Obviamente, chorei um pouco porque queria correr mais, pois a corrida é a minha a base – mas o Rodrigo ponderou minha lesão recente e, mesmo dizendo que estava me sentido bem, achou melhor nos precavermos.
Em termos de expectativas, eu sou sempre um pessimista teórico e um otimista na prática - seria difícil melhorar em relação à Penha, pois eu não conhecia o trajeto, a prova seria em um clima mais quente do que aquele que estava acostumado e meus treinos não tiveram como finalidade um recorde pessoal.
Mas isso tudo é a teoria, porque na prática eu fui mesmo para fazer abaixo de cinco horas...;-)))
Miami
A viagem de oito horas foi dolorida. Eu não consigo dormir direito naquelas poltronas apertadas de avião e passei o tempo todo entre acordado e pequenos cochilos (que mais pareciam desmaios).
Esperei a Deise Jancar e o Rodrigo Tosta no aeroporto e ali nos separamos já em Miami. A Deise tinha alugado um carro e conseguimos um Van de seis lugares da Chrysler. O carro tinha tudo...menos GPS.
Ai o GPS da viagem ficou sendo a leitura que a Deise fazia da sinalização cidade, daquelas coisas estranhas tipo “você pega a 1 WS e vai até 67 North, depois volta pela 44 até cair na...”.
Bom, a primeira coisa foi procurar a Bike Tech Miami para montar as bicicletas. A Deise tinha a loja como referencia e havia trocado e-mails com eles para compra de alguns acessórios para instalar na bike.
Chegando lá, minha primeira impressão foi péssima.
Primeiro, apesar da dificuldade para tirar as malas-bikes do carro e entrar na loja, nenhum funcionário veio, sequer, segurar a porta.
Em segundo, a loja me lembrava em tudo a Fast Runner...
Chiiiiiii.....
Para piorar, o dono queria nos entregar as bikes na sexta-feira pela manhã (estávamos quarta), mesmo que insistíssemos que teríamos um treino para o dia seguinte e precisávamos delas. E os acessórios que a Deise tinha encomendado não era os que ela queria.
Eu sei, você sabe e todo mundo sabe que montar uma bike para qualquer mecânico é coisa de 20 minutos. O dono, ainda assim, foi irredutível.
Sem opção, deixamos a bike lá. E decidimos dar um rolê pela cidade.
Ai fomos para a Swinbikerun, que era pertinho.

Ao olhar a loja por fora, sei lá o porquê, já gostei.
Entramos e fomos atendidos pelo proprietário, que contava com dois mecânicos e nos promoteu as bikes montadas ainda para aquela tarde.
Fosse eu, talvez não tivesse coragem de voltar na Bike Tech para resgatar as bicicletas – mas a Deise...bem, vocês sabem como mulher é safa para essas coisas.
Voltamos, pegamos as bikes e, olhem que interessante – quando retornamos a SwinBikeRun, logo ao abrirmos a porta do carro, dois mecânicos da loja saíram, sem serem chamados por nós, para levar os mala-bikes para a oficina.
A loja voltada especificamente para o triathlon, tem uma organização que nunca vi no Brasil – ao invés daqueles ambiente das “lojas conceitos” com tudo bem distribuído, muito espaço e prateleiras que valorizam cada produto individualmente, como se o produto fosse uma “estrela”, a loja é relativamente compacta e lembra muito aqueles ambientes de “garagem”.
É o típico ambiente para quem gosta de fuçar.
O atendimento é realizado pelo dono e alguns funcionários que tem perfil bem diferente daqueles vendedores na maioria das lojas aqui no Brasil, que fazem treinamento para ficar repetindo frases feitas sobre tênis, quadros, selins, óculos para te empurrar coisas que você não precisa.
Não tem ninguém para te explicar o que é pisada pronada, supinada ou neutra, mas se você precisa de um produto que não vê na loja, o dono pode arrumar.





Fomos a outra loja, a Mack Cycle, que é mais especializada em ciclismo com vários produtos para triathlon. Os mecânicos falam português e revendem produtos Specialized.
O que nos deixou meio embasbacados foi encontrar, logo na entrada da loja, várias cestos abarrotados de roupas, tal como se você estivesse no Brás. A diferença é que os cestos estavam com tops e macaquinhos da....ZOOT!!!

E original, viu?
O atendimento foi bacana e recomendo uma passagem pela loja também.
Antes da prova, fizemos um treino na quinta-feira pela manhã para verificar se as bikes estavam ajustadas. E fomos para a Ciclovia que fica Key Biscayne.
A ciclovia é segregada na auto-estrada apenas por uma marcação a tinta no chão. Os carros não trafegam em alta velocidade.
O contraste com São Paulo é evidente. Em uma cidade onde até garis são mortos no meio do trabalho por motoristas bêbados e endinheirados, incentivar as pessoas para usar a bike na rua é uma coisa que não entra na minha cabeça.
Mas, voltando ao pedal, você vai pela auto-estrada e desemboca em no meio de um condomínio e, nesse, em trilhas com asfalto em ótimo estado – onde se pode correr, pedalar ou ficar olhando para os pássaros com cara de abobado, como eu na foto ai do lado.
Recomendo um treino por lá para todo mundo que for fazer a prova no próximo ano. Achei seguro e o caminho tem uma bela paisagem.
Bom, a essa altura já estávamos craques em andar pela cidade (ou pelo menos a Deise estava).




A organização urbana da cidade é relativamente simples: há apenas um distrito comercial e financeiro (Downton Miami, onde, aliás, ficava meu hotel) e vários pólos comerciais com shoppings a céu aberto localizados ao longo das grandes avenidas. As auto-pistas são perfeitas, super bem sinalizadas e interligam os bairros nas áreas Norte, Sul, Leste e Oeste da cidade.
A cidade é multicultural dado o trânsito constante de latinos, mas bem segregada: pode-se passar uma semana lá e não ver a casa dos trabalhadores com as quais se interage nas nos pontos turísticos.
Um dos pontos mais interessantes que visitamos foi o Wynwood Art District, um local ao lado de Downton que abriga galerias de arte, empresas de criação e publicidade ao lado de pequenas fábricas de produção de artigos de couro (bolsas e sapatos).
Mas o que chama mesmo a atenção em Wynwood é o grafismo em grandes murais, tal como se vê nas fotos que estão (muito mal) distrubuidos pelo texto.




A Prova
Antes da competição, muito se comentava sobre a possibilidade do Furacão atingir a cidade justamente no dia da prova. Havia, sim, a possibilidade de cancelamento.
Depois vieram alertas sobre tornados...
E uma profunda questão me veio a mente: o que é que se faz quando se anuncia que um tornado vai passar na sua porta?
Quando eu era criança e tinha chuva forte, como muito relâmpago, minha mãe pegava a gente é óh, corria pro banheiro.
Coisa de gente que morou no interior...
Mas um tornado?
O que faria se da varanda você visse um tornado vindo na direção do seu prédio?
Juro que ficar no banheiro passou pela minha cabeça.
Só que eu não ia pagar esse mico. Muito menos perguntar para o pessoal da recepção sobre o assunto...
Mas pelo sim, pelo não, só para garantir, dormi com a cortina fechada...:-))))
O que rolou mesmo foi uma chuva intermitente que começou no dia anterior da prova e se estendeu durante toda a madrugada e começo da manhã.
Cheguei na área de transição as 5:30, sendo minha largada as 7:44. Arrumei minha coisas, tentando deixar tudo na melhor posição possível e fui procurar a Deise para ver se estava tudo bem com ela, que tinha chegado mais cedo.
A largada seria por faixa etária, com intervalo de cinco minutos entre elas. Acho que esse sistema apresentou bem mais vantagens que desvantagens.
Quando a Deise foi para a largada dela, que seria por volta das 7:14, me abrigaguei em um puxadinho absolutamente ensopado (claro, como todo mundo) para esperar a minha.
A sorte foi que não estava tããããão frio e, mesmo com as roupas molhadas, a temperatura era suportável.
Natação
Depois de tanto esperar, fui para a largada e me postei junto com o bloco de pessoas da minha faixa etária, que ia lentamente caminhando para o píer – ao melhor estilo a “Marcha dos Pinguins” (ou a passagem que a gente faz entre as linhas verde e amarela no metro no final da tarde aqui em São Paulo, tanto faz).
Quando olhei para o mar, achei que ainda estava escuro e não conseguiria ver as bóias. Isso me deixou um pouco preocupado.
O Rodrigo já tinha dado um toque para a necessidade de se prestar sobre o momento de entrar no mar, assim como a Deise e o Ronaldo Pacca, pois você deve pular de um píer...e tem uma fila de gente atrás de você.
Gente “nervosa”, se é que vocês me entendem....
O Rodrigo contou que ano passado ele mal estava emergindo do mergulho e um cara veio de cima para baixo com um míssil que por pouco não acertou a cabeça dele.
Bom, na minha vezm, pulei.
Na hora que subi e cheguei a superfície, pensei “ufá”.
Mas ai um daqueles americanos típicos, bem crescidos e alimentados, com 1,90 e uns 120 quilos, pulou na água na minha na minha frente, tal como fazem aqueles meninos malas que se atiram na piscina do clube agarrando os joelhos para molhar todo mundo que está tomando sol.
Ai olhei para o píer e gritei algo como “Wait ai, stop, stop ai hein”.
“Wait ai, stop, stop ai hein”????????
"Stop ai, hêêêin"??????
Bem, a largada dentro da água lembra muito o do TB na USP. E eu, que sou covarde demais e tenho dificuldade de realizar um dos principais fundamentos da natação no triathlon, que é nadar forte logo de saída, fui atropelado por quem larga lá trás – que normalmente é aquele sujeito que fica dizendo “vou na boa” durante meia hora antes da largada para Deus e o mundo, mas quando é dada a largada, sai como doido....
A primeira coisa que me surpreendeu muito positivamente foi que tínhamos muitas bóias intermediárias demarcando o trajeto. Ao ultrapassar uma, você facilmente localiza a seguinte, o que facilita demais a orientação no mar.
E comecei a nadar realmente forte, me sentido bem e sem hiperventilar.
Mas ai a gente começa a encontrar os retardatários das outras faixas etárias. As vezes, bolsões de nadadores muito mais lentos. Como sou ruim de ultrapassagem, fico atravancado atrás de um bolo de gente e me atraso.
Comecei a perder tempo, mas meu pior erro foi mais a frente.
Lembro que o Wagner deu um toque para evitar a corrente do canal que despeja água no mar no sentido contrário a bóia que devíamos alcançar – ao contornar a penúltima delas, o truque era mirar no Hotel Continental e nadar em direção a ele.
Mirei e fui.
Fui em direção a uma bóia amarela, mesmo sabendo que as que deviam ser contornadas eram as vermelhas. Ao chegar nela fui contornar e, ao olhar para frente....“êita, cadê todo mundo?”.
Putz, fui muito para a direita. Olhei e viu centenas de nadadores indo para a outra bóia, essa sim vermelha, mais ao fundo.
Percebi que meu erro tinha me custado uma “barriga” daquelas.
Quando finalmente cheguei na bóia e contornei, era “só” nadar reto.
Teóricamente "nadar reto".
Sei lá se sou eu, sei lá se são os outros, não consegui nadar sem sofrer o esbarrão de trocentas pessoas que nadavam em zigue-zague (ou eu nado assim e preciso de um GPS urgente!).
Tomando pancada dali e daqui, fechei a natação sem ter percebido o prejuízo, que foi grande: 41 minutos, 100 colocação na faixa etária e 977 no total.
Apesar dos tempos na água estarem todos altos, foi mal...
Bike
O Rodrigo fica sempre me chamando a atenção que preciso melhorar minhas transições. Acho que ele não liga que eu faça um 70.3 em nove horas, mas se demorar quatro minutos para me arrumar ele quer morrer...:-))))
No 70.3 de Miami não tem sacolinhas e dá para fazer uma transição tal como no Internacional de Santos ou o Long Distance Caiobá.
A minha foi de 4:13, mas espera que eu tenho uma desculpa: a gente tem que correr muito entre a saída da água e as bikes. Demora mesmo.
Sai para pedalar e o chão molhado. Só olhar a Deise saindo para o pedal... ai embaixo. Sai pouco depois dela...

No trecho urbano, várias poças de água e muitos ciclistas de outras faixas etárias em ritmo mais lento em um trajeto perigoso, demarcado por cones e em que só trafegam duas bikes.
O primeiro objetivo era não cair. Fui bastante conservador e pensei naquele momento que a prova não era para PB, mas para tentar “competir”, isto é, avaliar o desempenho em relação a colocação na faixa etária.
E, antes de entrar na estrada, uma coisa que me deixou um pra lá de chateado, conforme comentei no fórum do Ironbrothers. Ao me aproximar dos trilhos, havia um ciclista caído e alguns outros em volta observando a gravidade do tombo.
Diminui, mas não perdi o foco. Mas uma menina, na minha frente, foi olhar, se distraiu e, ao passar pelos trilhos molhados, perdeu o equilíbrio e caiu. Achei que caiu feio...
Qualquer ser humano do planeta faz o quê? Para.
É intuitivo...
Mas não parei. Não importa que houvesse uma ambulância já a poucos metros do local...não dá para dar essa desculpa.
Porque, sinceramente, se não houvesse a ambulância, eu também não teria parado.
Depois isso me fez ficar pensando que a gente empresta capacete, dá dicas em Blog, fala sobre lojas, inscrições em provas...enfim, “a gente é legal”.
Mas na hora que a coisa fica feia, é difícil ser solidário com as pessoas nas coisas realmente importantes.
E isso troca do quê? De alguns minutos que não vão fazer diferença nenhuma em nada. Nada mesmo.
Bem, acabou o clima para continuar falando da prova, não é? Essa coisas são uma merda.
Mas vamos lá...
Depois do trecho urbano, todos entramos em uma estrada. Ali o piso era mais abrasivo e nem parecia que tinha chovido.
Bem mais seguro para pedalar!
Só que quando fui olhar o cateye, ele estava apagado. Tentei ligar. Nada.
Engraçado, mas em um almoço que o Rodrigo organizou para o pessoal que estava lá com a gente, comentávamos justamente como as pessoas se condicionam muito com medidores de potencia, monitores cardiacos, gps e toda uma parafernália de gadgtes a ponto de perderem suas referencias mais subjetivas em relação a sua percepção de esforço.
Quando algo dá errado com esses brinquedinhos, é como se tivessem apagado luz.
Well, isso não me estressa. Eu levo comigo um relógio com cronometro de 50 pilas para marcar o tempo em que tenho que me alimentar e fiquei na boa.
Liguei o reloginho e ficou por isso mesmo.
Entrei na estrada me sentido bem, mas muuuitoooo bem.
Coloquei uma relação pesada, no Big Gear, e fui subindo como se estivesse em Time Trial.
Vento, sim. Frontal, um pouco. Mas principalmente lateral.
Como sou relativamente pesado, o vento lateral puxava a bike, mas em nenhum momento temi perder o controle.
Fui passando filas enormes de ciclistas e, detalhe, SEM PELOTÕES!!!!!!
Ai, lá pelas tantas, percebo pela minha sombra no asfalto um...um...um o quê, hein?
Acho que era fita que prendia o meu número tinha se soltado e se transformou em uma rabiola....
Fiquei com medo de levantar e a fita ir embora levando junto o meu número junto.
Mas passei por um ciclista ele falou algo como “cadarço”.
Cadarço? Entedi direito?
Bom, deixei para lá e fui tocando...
Só que quando fui pegar a caramanhola....espera aiiiiiii!
Eu estava com a bermuda da 2XU, não estava?
Sim.
Preta?
Sim.
Toda preta?
Sim.
Mas então que raios eram aqueles frisos verdes?
Clipei de novo...
Frisos verdes...frisos verdes...onde é que eu vi isso mesmo???
De repente, desclipei....
Olhei para a bermuda, olhei para frente, olhei para bermuda, olhei para frente...
Ai deu um estalo...
E não é que eu tinha esquecido de tirar o speedsuit e estava pedalando os 90 km com ele vestido até a cintura!!!!!
Tudo bem que acontece nas melhores famílias, mas no décimo 70.3 esquecer de tirar o speedsuit é %$$#@$#$#.
Tirando o ridiculo da coisa toda, procurei não pensar no assunto. Só que aquele "rabinho"do cadarço para lá e cá enchia o saco...
Será que muita gente notou?
Se forem menos de 500 pessoas, eu me conformo...;-)
Ao chegar na transição para a corrida tive a percepção do melhor pedal que já fiz.
Mas foi “quase”. Depois da prova, fiquei um pouco decepcionado com o resultado: 90 k em 2:35:48, um tantinho mais lento que Penha.
Ponderando depois, vi que fiz um pedal muito defensivo no inicio e não fui capaz de ser rápido no trecho urbano no retorno volta.
Esse fator indicava que resultado do pedal foi muito bom – porque no 70.3 de Penha é só estrada, sem necessidade de desacelerar, e fiz um tempo parecido.
Em termos de colocação na prova, consegui avançar para a 62 colocação na faixa etária e para na 465 no geral.
Fiz uma transição de 2:57...
Tá, tá, tá...eu não esqueci de tirar o raio speedsuit para correr. Ha-Ha-Ha...tô morrendo de rir...:-((((
A Corrida
Sai para correr tomando cuidado com o piso em certos trechos, porque o newton escorrega fácil em piso de cerâmica.

E senti algo que raramente percebo quando nessa situação: a musculatura das pernas meio travada, principalmente a da coxa.
Depois as coisas foram entrando nos conformes e até que estavam indo bem – não fosse o vento.
Acho que todo mundo já ouviu reclamação de triatleta e ciclista sobre vento no pedal.
Mas na corrida?
Pois é, na corrida.
O percurso era relativamente plano, não fosse a passagem por um viaduto onde o vento era tão forte que eu mal conseguia correr com a cabeça erguida sem que ele arremessasse minha viseira longe.
E, em algum momento daquele sistema de marcação em milhas, quebrei. Nem sei onde, mas quebrei....
E tinha que subir e descer aquele viaduto do cão mais duas vez.
Cruzei com o Luquinhas, Mariana Borges (vaaaamúúúúú Vagnêêêêêrrrrrr rsrsrs), Wagner e o Caio – que me escreveu posteriormente dizendo não falava muito comigo porque eu “estava muito concentrado”.
Depois comentei com ele que de concentrado aquilo não tinha nada - estava jogado no brejo das almas, isso sim...
Sinceramente, se pintasse o sol que o pessoal comentou ano passado durante a prova, acho que eu não terminaria.
Comecei a ter como metas andar apenas nos postos de hidratação. Não era uma questão de alimentação – não adiantava comer mais.
Olhei para o relógio e vi 1:40 e chutei que ia terminar em 2:05. E, olha, isso sendo otimista.
Só que, sem mais nem menos, lá estava eu na reta final para fechar a maratona em 1:48, bem antes do que tinha pensado.
Isso é uma coisa que a gente treina muito no Ironguides – antes de ficar com bobagens mentais, repetindo mantras que servem para boi dormir, a gente deve trabalhar para conseguir nadarpedalarecorrer muito degastado e, ainda assim, alcançar uma velocidade decente.
Isso é treino, não é força de vontade.
Não quero ofender ninguém, mas eu me sinto um estúpido só de pensar em ficar repetindo coisas tipo "Be Strong", "Nunca desista" e "O dor é passageira, o orgulho da vitória é para sempre"....
A não ser que se considere que palavras ou frases do tipo "&%#@%$#$@#" sejam mantras...

Ai vou mudar de opinião e dizer que uso bastante...:-)
Fechei a prova em 5:12:29, chegando a 44a posição na categoria e 398 entre todos que fizeram o 70.3 de Miami.
Ai acabou? Pra mim nunca acaba tão logo passo o pórtico...
E vou dizer algo aqui que vocês podem achar o cúmulo do elitismo, mas eu tenho coragem de falar (já que falei do speedsuit, né? Pior não vai ficar....)
Deus do céu, quando termino uma prova, como queria ter um Staff só para mim!!!
Não, dois Staffs!!!!
Um para ir pegar as minhas coisas na transição e outro, para me levar para o Hospital!!!
Porque, pô, depois de cinco horas de prova ainda tenho que juntar toda aquela roupa molhada, sapatilha e tênis com barro e carregar a bike para o hotel?
Mêêêêêuuuu, sou um ser humano! Eu preciso de um Staff como qualquer outro ser humano desse planeta!!!!! ;-)))))))
E dentro do Staff em provas nos EUA poderia haver alguém para cozinhar, porque apesar de bem organizada, não entendi como aquele povo consegue oferecer arroz com alecrim, carne e linguiça de porco na área de dispersão. Só faltou bacon, ovo e batata frita!
E tem gente que come!!!
Depois da Deise comentou com aquela comida toda era também para os parentes e amigos que acompanhavam a prova.
Mas que tinha gente que fez a prova e estava traçando um pratinho com arros, feijão e linguiça, tinha!!!
Tinha que eu vi! :-)
Bom, para finalizar nem tenho o que falar das pessoas que estavam lá com comigo. A Deise planejou a viagem e todos os lugares legais que fomos visitar sem reclamar, por um segundo que fosse, do fato de que só ela estava dirigindo. As fotos aqui no Blog também saíram da máquina dela.
Encontrar o Rodrigo Tosta sempre é bacana porque e a gente pouco se vê durante o ano e nem sei como agradecer a ele, que me torna capaz de fazer coisas que nem eu mesmo acredito....até fazer.
E dois caras sensacionais com quem convivemos lá por poucos dias, mas que com dois minutos de conversa parecem conhecidos com quem a gente tem anos e anos de amizade: o Wagner Araújo e o Cristiano Santos.
Bááááááhhhhhh, como se faz Bike Fit no sul mesmo Cristiano? ;-)))))

13 comentários:

Hugo Leonardo disse...

ahhhh... já conheço miami... depois desse race report.... ou travel report... tô expert em miami....
Confissão: em brasília em maio desse ano, pedalei e corri com a roupa de borracha.... não pq esqueci, mas pq não sabia mesmo..... hehehe mas tb eu tava de caloi 10 de ferro.... ficou facillll.. e eu pensava assim... Nossa como essa roupa de triatlon esquenta....

Aninha disse...

Vagner,

Jah havia te parabenizado pela prova... Mas, agora, tenho q escrever novamente: PARABENS!!!
Ainda bem q nao se trancou no banheiro... "bah! O Cris (Santos) iria te chamar te mulherzinha p/ o resto da vida! (rs... Brincadeirinha!).
Eh serio... Administrar o treinamento... Nao "poder" treinar da forma como gostariamos em fc de lesoes... Ter cabeca para lidar com as adversidades... Vc sabe... Muito melhor do que eu... Nao eh facil...
A questao de 2 irons num ano?
Dedende de cada um, ne?
Da adaptacao...
Para o Ciro... Eh pouco...
Para mim... Ainda eh duro...
A Fernanda Keller... Encontramos com ela em Kona... Disse que tinha feito 4 em 3 meses na tentativa de classificar...
Muito legal seu relato...
Gostei da atitude da Deise...
E... O pessoal da Swim, Bike & Run sao realmente atenciosos!

BTW, como vc conseguiu na largada... Ainda olhar p/ tras... E pedir p/ o pequeno americano... Tomar cuidado!
Soh vc...

Valeu pelo report!!! :))

Muito bom saber o q se passa durante uma prova na mente "cartesiana" de Bessa (oooooo!!! To brincando!!! Nao briga comigo, tah?)

Abs,


Aninha!

Marlus disse...

Parabens por mais uma bela prova... e como havia dito, acompanhando seus resultados durante o ano... vc pode levar o Troféu de Atleta mais Consistente do ANO de 2011... sem contar com o Iron que baixou quase 1 hora em relação a 2010....

Guto disse...

Seus posts sempre sao bons, ia lanchar agora e fiquei preso na leitura! Mais uma prova que deu vontade de fazer....quem sabe com uma programacao eu consiga ir um dia!

Parabens Vagner.... ja sei o que fazer e o que nao fazer em Miami, hehehe!

Abs

Guto

Deise disse...

Vagner...só falta dizer " compartilhando " para o meu blog..kkk
Relato fiel do que passamos e quem quiser mais detalhes , marque uma pizza...kkk
A viagem foi muito boa , pois a companhia foi excelente. Topou e comeu de tudo e não passamos vontade.
Cada um teve sua experiência na prova e sai de lá muito feliz. Novos amigos e quem sabe novos horizontes.
Teremos mais !!!

Bjs

Cintia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cintia disse...

Vagneraaa! Enfim seu relato,hein!!!!! Rsrsrsrs Li tudo, mas confesso que peguei uma aguinha pra beber!!rsrsrsrs Me proporcionou boas risadas.... figuraa!!!
Viu.. na hora do aperto.. qualquer palavra pra mim virá mantra!!rsrsrsrs
Muito legallllllll sua viagemm e Parabéns pela prova!!!
Precisamos combinar uma trip,ne!! Já pensou agente fazendo uma prova juntos Internacional?? rsrsrsrsrs

bjãooo boa recuperação pra vc! OU melhor, nessa altura do campeonato você já se recuperou,ne..rsr Acabou por aqui o ano,ne??

Yeda disse...

Vagner, você levou mais tempo para completar a prova ou para escrever o post? :-) Como sempre excelente relato e ótima prova. Parabéns! Como eu disse para o meu treinador uma vez, aqui é "Corinthia" mano, não tem essa de entrar numa prova não buscando tempo... Só que depois disso tudo vai sobrar ainda história para a Pizza???? rs rs rs

Denys disse...

Parabéns, Vagner! Cada prova um show!!!

Xampa disse...

Bessa,
esse texto é que nem treino longo que encaixa. Perfeito !!! Nem vi passar o tempo.

Junk Miles? Puutttz, eu li isso no IG e achei duca.

Que bela lógica de treinos. Animal. Eu curto isso.

Quem quiser ir para o 70.3 de Miami, vai ter muita referencia aqui. Isso é muito bom.

Essa de pular do pier..., merrmao, eu seria o ultimo. O cagão da porra.

E os gadgets? Perfeito. Eles são legais, tem muita info, só que viciam e vc para de se interpretar.

Puuttz, parabens cara pelo resultados e tudo de bom nos proximos projetos.

Artur Araujo disse...

cara eu e a Mariana rimos tanto, que eu estou com a barriga doendo.Sensacional,fantástico ou qualquer adjetivo que defina esse post como espetacular.Para fazer eu ri meu amigo,ainda mais lendo,tem que ter talento.Já ia esquecendo parabéns pela prova.E outra a Mari te respondeu lá no blog.Abração Vagner.

Rocio disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Carlos disse...

Amigo vocês tem os contatos dessas lojas que citou, em especial da swinbikerun? Pode encaminhar, por gentileza? Parab´nes pelo post.