segunda-feira, 11 de abril de 2011

Caiobá 2011

Sempre comento com os amigos que acho o Long Distance Caiobá uma das minhas provas preferidas.

Quando estava me preparando o primeiro Iron em 2009, o Vinícius dizia que, além de ser uma prova bacana, era um ótimo ensaio para Florianópolis.

Na minha primeira participação quebre feio. Tentei a sandice de substituir o hidrólito que estava tomando por gatorade, que tinha beeeemmm menos calorias, além de não ter feito uma alimentação no dia que antecedia a prova de forma decente.

E isso foi fundamental para que eu, naquele ano, redirecionasse foco para das minhas atenções para a alimentação, o que certamente contribuiu para que eu terminasse o Iron 2009 sem problemas.

Nesse ano, o Rodrigo pediu o mesmo tipo de atenção. Escreveu ele:

"Imagine que vai fazer um iron e não um 70.3, teste seu ritmo nas três modalidades e veja como vai se sentir em seguida. Teste tb os equipamentos e estratégia nutricional do ironman. Não force para bater seu recorde nessa prova, pois esse não é nosso objetivo, se o PB vier, ótimo, mas não se preocupe com isso. Nosso foco é em maio, ok?"

Fomos eu e o Presidente para Caiobá ainda no sábado pela manhã. Foram entre sete e oito horas de viagem em um percurso de tantas serras e curvas que tornam as coisas muito cansativas para quem dirige.

Como faço uma propaganda danada da prova para os amigos, na pousada estavam o Marden Mota e as meninas dele, a Andréia e as filhas Maria Eduarda e Pietra - que, olha, doidera de lindas! A Pietra tem a idade da minha sobrinha, está aprendendo a falar e gosta de mostrar um umbigo e esconder quando você quer fazer cosquinhas na barriguinha dela...

Já a Maria Eduarda ficou amiga do Presidente, embora ele a ficasse irritando de vez em sempre com aquelas piadinhas que ele aprende por ai - a gente, que é amigo, ri...mas porque é amigo ;-))))

Aliás, se algum dia um leitor do Blog tiver a oportunidade, perguntem a Maria Eduarda porque ela não toma refrigerante.....

E quando ela responder, perguntem depois que ensinou aquilo pra ela!!!! ;-))))

Também estavam lá o Alberto Peixoto, com o Fábio, que também fez a prova, e o João Fortes, técnico deles e da Assessoria Fortes Training. O Alberto precisava resolver essa parada de nadar do mar de uma vez por todas para fazer o Iron tranqüilo.

Chegamos e fomos comer e depois fomos pegar o kit. Tudo pertinho, sem precisar usar o carro.

Mas confesso que não tive uma boa semana. Quando entrei na fase de polimento, meu corpo desmoronou.

Tá, pode estar um tanto exagerado esse "desmoronou".

Vamos dizer que senti cansaço e dores musculares que a muito não sentia.

Além disso, uma vontade absurda de comer porcaria, como doces, cholocates e pizza...

Depois de dirigir, almoçar, ter ido na expo e coisa e tal, finalmente deitei na cama e, pumbá!

Desfaleci...

Eram cinco horas da tarde e estava morto!

Dormi um pouco, acho que meia-hora. Melhorei. Mas lá no intimo pensava assim "ainda bem que eu o Rodrigo me tirou a obrigação de fazer qualquer coisa em termos de tempo, porque do jeito que está, não vai rolar".

E, entre 2009 e 2010, eu já tinha tirado 16 minutos no resultado final entre uma prova e outra. Se eu fosse com expectativas de desempenho, chiiiiiii marquinho....

No final da tarde começou a chover. Mas chovia gente!

Chovia, chovia, chovia...

Todo mundo com aquela cara...

Só que ano passado, choveu a madrugada toda e, na manhã seguinte, abriu o sol.

Eu tentava mostrar tranquilidade e dizia "podem relaxar, que amanhã o tempo melhora. Ano passado foi a mesma coisa. A gente nem dormia de madrugada por conta dos trovões. Esse ano só está chovendo, nem raio tem...."

Óbvio, ninguém acreditou (aliás, eu muito menos....)

O Sérgio, dono da pensão, providenciou uma macarronada no jantar. Ele fez até massa. Todo mundo comeu, conversou, deu risada, se conheceu melhor e zupt pra dormir.

Eram nove da noite e nem vi mais nada. Não deu nem para ver novela. Apaguei e só fiu acordar pouco antes da 5 da matina para começar a hidratar.

E o tempo tinha melhorada muito. Algumas partes do céu estavam estreladas...

Desci para o café, olhei para o Mota, Alberto, apontei para o céu e disse..."Tá vendo, eu não disse?" ;-))))

Fomos para a praia onde seria a largada. Só que, naquela coisa de ficar batendo papo na transição, vendo os amigos...bem, aquecimento que é bom, não deu mesmo.

Fiquei no meio do povo. Olhei a posição da bóia, mirei na danada e fui. A temperatura da água estava ótima. Apesar do mar estar bastante marolado, não havia ondas.

Problemas de tráfego aqui e ali me atrasaram um pouco. Fechei na casa dos 35 minutos.

Sinceramente? Esperava ter nadado mais rápido em função da evolução nos treinos. Mas, enfim, fiquei satisfeito de ter conseguido acompanhar algumas meninas - sim, porque as mulheres são melhores nadadoras que os homens - cansei de ser alcançado por elas em provas do TB, quando nossa largada era apenascinco minutos antes da largada delas.

Adendo: com os resultados oficiais, comparei os dados com 2010 e, surprise, melhorei em cinco minutos essa natação!

Mais um motivo para ficar feliz!

Voltando....

Fiz um transição mais acelerada que e um tanto mais eficiente. Não foi perfeita porque não sei sair com a sapatilha clipada. Mas não me atrapalhei com o óculos e o capacete...

O que já não é pouco no meu caso!

Sai para pedalar e logo encontrei um bom ritmo. Na ida, o vento era favorável e conseguia ir passando os que saíram da água na minha frente.

Apenas me irritava o pessoal fazendo pelotões.

Alguns, como que por efeito da gravidade, iam se aglomerando ao meu redor - um deles olhou para mim e disse "vamos fazer o nosso jogo". Tirei um pouco o pé e respondi "não, não faço pelotão...desculpa cara, mas prefiro ir sozinho".

Só que aquele ditado "quando um não quer, dois não brigam" não é lá muito adequado para essas situações. Os caras ficavam como uma nuvem na sua volta.

Quando me passavam, não abriam. Quando eu passava, eu forçava para me desvincular deles. Mas bastava ficar contra o vento contra que eles me alcançavam.

E começava tudo novamente.

Aquilo foi me irritando de um jeito...

Bom, até que, enfim, algo que acontece com todos um dia, aconteceu comigo: furou a camara.

E foi bobeira!

Já faz algum tempo, eu não conseguia encher o pneu traseiro da roda com que faço as provas com a minha bomba de pé.

Mas, levando em qualquer bicicletaria, o pessoal conseguia. O Fernando, mecânico que cuida da minha bike, já tinha me alertado que havia necessidade de fazer pequeno ajuste no adpatador da roda. Eu ia lá para resolver isso um dia antes da viagem!

Sai de carro para ir trabalhar e depois passar na oficina. Mas o trânsito estava tão ruim, mas tão ruim que voltei para casa e pensei "ahhhh, vou encher o pneu lá mesmo, em Caiobá".

Conversei com o Mota e, já em Caiobá, levamos a roda para o Max que, sem problemas, encheu o pneu.

Mas, vejam, o problema continuava lá!!!!

Ao invés de resolver logo isso, fui "dando um jeitinho".

Não deu outra. Logo depois do retorno da primeira volta do pedal, passei em uma lombada e senti algo errado. O pneu estava mucho, o que indica que um vazamento pequeno por algum problema interno - bico com defeito, fita com ponta etc - e, quando bateu na elevação, foi de vez...

Desci da bike, mãos suadas, sem me concentrar direito pensei "está tudo aqui para trocar a camara, mas não vou conseguir".

Mas o João Fortes, técnico do Alberto e que estava conosco na pensão, tinha acabado de chegar para ver a prova e me viu parando.

Veio correndo em meu auxílio. Começou a tirar a roda e o pneu - sem espátula!!!!

Um outro senhor, falando espanhol, também fazia questão em me ajudar. Mas sem saber direito o que fazer, coitado, segurava a bike no alto enquanto o João trabalhava.

Por fim, mas um cara, que também tinha rodas clincher, estava por ali e veio correndo nos socorrer. Foi uma sorte danada, porque o João estava com dificuldades para mexer no adaptador.

Entre 5 e 10 minutos, fizeram reparo. Pouco antes, passou o Jorge, chapa nosso e brincou, "Vagnão, você dá um traaaaabalhoooooo....".

Um deles, não sei se o João, disse, "espera ai que você vai lá buscar ele..."

Ele falou aquilo e logo pensei "Huuuummmmm, tá ai um lance legal! Será que eu consigo?"

Agradeci mil vezes os três e voltei para a prova...

Eu já tinha desistido de qualquer coisa. A troca pode demorar apenas três minutos, mas parecem 20. A gente vê tanta pessoas passando que o desânimo é avassalador.

Pensei em subir na bike e "brincar" um pouco. Ir buscar o Jorge era uma boa!!!

Comecei a pedalar, a pegar ritmo, alcançar um, alcançar outro. Quando vi a Cintia Tobar, amiga minha, fiquei mais animado. Ela sempre faz ótimas provas e, quem sabe, eu poderia ao menos tentar fazer um tempo parecido - mas certamente maior - que aquele feito em 2010?

Acelerei bastante, mas sem esforço grande. Passei a Cintia e, logo vi o Jorge. Passei também e dei uma risadinha, uma risadinha meio sarcástica.

Já estava gostando da "brincadeira" de marcar os amigos.

A alimentação estava perfeira, mas ao comer bisgaguinha com banana, quase engasguei. Tá aí algo que já descartei para o Iron. Tomei um Gu Endurance no último retorno e parece que aquilo reforçou minha base energética!

Também estava testando o capacete Aero. Tem gente que diz que não funciona e coisa e tal. Bom, eu comprei na expectativa apenas de ter algo "da tribo" porque, aqui pra nós, em termos de desempenho duvido que isso faça muita diferença no nível competitivo com que eu participo das provas.

Mas, sei lá, adorei! Para mim fez mais efeito que as rodas de carbono. Tá aprovado para o Iron!

Pedalei beeeeemmmm. Cadência entre 70 e 80 rpms contra o vento. Vinha pelotão me enchendo o saco, mas quando o vento parava, eu conseguia seguir sozinho.

Fechei a bike e olhei rapidamente para o Cateye: 2:22.

Mesmo sem contar o tempo do pit stop para trocar a camara, pôôôxa, nada mal!

Fiz um transição meio destrambelhada, pois tive que sentar no chão para colocar as meias.

Mas, quando sai para correr, minha pernas estavam bem soltas. Eu me sentia muito bem.

Só que em 2010 foi assim: me senti forte nos primeiros 3k, dei uma "quebrada" e fui em "velocidade de cruzeiro" até o 18k. Depois eu corri o que deu para correr.

Só que desta vez, não senti nada disso. Engatei um moderado/forte e fui.

O Gustavo, do Ironguides, passou por mim. Ele estava uma volta na minha frente.

Resolvi marcá-lo de longe porque, claro, o eu quebraria fácil se tentasse ir na mesma passada que ele.

Na verdade, isso foi mais um jogo mental. Como na meia são três voltas de 7k em um lugar plano, na orla da praia, ao correr você olha os extremos da praia e, pela distância, desanima. Eu sempre brinco que lá a melhor estratégia é correr olhando para o chão, porque o horizonte e os morros parecem estar em um distância impossível de ser percorrida.

Fiz os primeiros 7k me sentindo ótimo. Pensei, daqui a pouco vem a "quebradinha". Entrei na segunda volta, tomei um GU e me senti da mesma forma que iniciei a primeira.

Isso já era uma novidade!

Fiz o retorno da segunda volta e nada de quebra. Fui indo, concentrado no pace, com passadas bem curtas e aceleradas. O Gustavo na minha vista, lá na frente.

Quando entrei na terceira e última volta, estava inteiro. Faltavam apenas 7 km. Logo me lembrei do depoimento do Ciro Violin, que quebrou em 2009 "como um galho seco" e já bem pertinho da linha de chegada.

Se aquilo pode acontecer a ele, não seria eu que estaria imune a quebras mesmo ao final da corrida..

Apesar de sentir "tudo em cima", não era hora para tentar algo suicida. Depois de ver tanta gente com aquelas malditas presilhas de pano (é esse o nome?) amarelas e vermelhas no pulso e eu sem nada, achava que estava fora de qualquer perspectiva de fazer uma boa prova em termos de tempo.

Eu fiz 2:08 na parte da corrida em 2009. Baixei para 1:52 em 2010. Achava que esse era meu limite ali em Caiobá, porque tirar mais que isso, só se eu fosse outra pessoa.

Fiz o último retorno e voltei decidido a completar os últimos 3,5k correndo forte.

O Gustavo já tinha parado. Eu olhava um sujeito ou uma menina lá na frente e ia buscar. Sem me matar, ia "pescando" um a um.

Estava "brincando" com a prova de novo.

Cheguei inteiro. Olhei o relógio - 1:32.

Whaaaaaat??????

Olhei para trás meio sem jeito, cocei o queixo e dei uma disfarçada.

"Ué, será que eu pulei uma volta?"

Mas estava com as duas pulseiras. Não tinha.

Uauuuuuuuu....

Apesar de tudo, já tinha valido a pena a viagem!

Minutos depois, saiu o resultado. Fui lá ver.

Eu, que pensava que seria uma coisa e tanto fazer sub 5 horas (impossível mesmo...), pois o "meu melhor" tinha sido 5:08 ano passado, fiz para 4:42 (ou 44, não lembro direito...).

Isso tempo total, contando inclusive o período que fiquei parado com o pessoal trocando a câmara (coisa entre 5 e 10 minutos)

Claro, esse resultado não seria o mesmo sem o apoio que tive no momento que o camara furou.

Ao encontrar o João na pensão, dei a ele a camisa de finisher. Se pudesse, dava a chave do carro também...

Pelo menos a chave do carro do Presidente ;-))))

Porque a gente não sabe o que faz para retribuir quem nos ajuda sem interesse, não é verdade?

Bom, acho que duas coisas explicam esse resultado.

Primeiro, o trabalho que tenho feito com o Mario, nutricionista, que me levou a perder peso sem perder força. Estou cinco quilos mais magro se comparo meu peso hoje com Caiobá 2010.

Outra coisa é que, sem dúvida, o resultado se deve ao esforço do Rodrigo Tosta, que pegou a base que eu trazia de anos e anos com o Vinícius e, dentro da mesma filosofia do Ironguides, trabalhou muito minhas deficiências em termos de velocidade.

E eu, que sempre fui muito cético em relação a isso porque achava que "velocidade" um atributo genético e ponto, hoje estou revendo meus conceitos, já que os treinos dele estão mostrando o inverso.

Agora, sim, o Iron. Vamos com tudo!

Huuuuummmm, não! Espera ai! Pra quê essa pressa!

Me dá antes um dia ou dois para descansar....;-))))

Adendo

Sairam os tempos oficiais. Fiquei feliz com a natação também!!!!

Natação: 34:04 (contra 39:04 em 2010)
Bike: 2:34:49 (2:37:23 em 2010)
Corrida: 1:32:49 (1:52:09 em 2010)

Total: 4:42:22 (5:08:46 em 2010)

14 comentários:

George Volpão disse...

Boa piá!

Legal que fizeste uma boa prova. Todo sucesso do undo pra vc nos treinos e claro, em Floripa!

Te acompanho sempre por aqui.

Abração!

Joel dos Santos Leitão disse...

Vagner, ler que você quer descansar dá até um alívio... Enfim, Ironmans também descansam!
Parabéns por mais essa!

Cintia disse...

Rsrsrs Vagneraaaa!! As meninas Maria Eduarda e Pietra realmente são lindas demais!! Vontade de agarrá-las... e super educadinhas,ne...hehehe
Obrigada pela citação do meu nome no seu blog!!
Estou orgulhosa da sua prova... e da sua corrida...
Não sabia q seu pneu tinha furado.. ahhh... mas é isso ae!! calma na hora dos apertos!!
rsrsrs acho q vou comprar um capacete aero,entao... melhor que as rodas?kkkk senti falta das rodas em Caiobá...rsrsrsrs mas se o capacete já resolve...rsrsrsrs Bons treinos pra vc! Rumo Iron 2011, vc está ótimo!!! bjaoo

Emiltri disse...

Ahhh Vagnão sub 5!!! Show velinho! É bom ver que o trabalho de anos avança sempre. Parabéns!!
Que bom que vc adotou o capacete aero, pois ele é a peça numero 1 em termos de aero em provas longas. Depois vem a roda DIANTEIRA, depois o quadro e por último a roda traseira...

Abrax!

elis disse...

olá, Vagner!

parabéns pela sua conquista!

gosto muito de ler seus relatos! têm uma pitadinha de humor que é uma delícia;)

estava toda concentrada lendo, quando de repente tivemos uma queda de energia aqui em casa... mas me veio uma frustração, porque eu estava bem no suspense, você e seus amigos consertando a roda da bike;)
nossa, que sufoco você passou!
muito bom ter amigos!

bom descanso!

Alberto Peixoto disse...

Foi um prazer conviver com vc nesse final de semana... Parabéns pelo grande resultado...
Obrigado novamente pela força!
Abs
Alberto Peixoto

Pablo Bravo disse...

Vagner...pqp! desculpa hehe...mas pqp que prova cara.

És tu e a Crissie arrebentando com a corrida hehe.

Parabéns sensacional.

Grande abraço

Pablo

Cristian Moraes Duarte disse...

Fala sério 1h32 :O absurdo !!!

parabéns pela GRANDE prova, demais mesmo, não tenho o que falar, estou impressionado hahahaha

Abraço amigo.

Guto disse...

Parabens Vagner, ta no caminho certo p detonar no iron!! Abs

Marcelo CT Ribeiro disse...

Brincadeira viu. Me chamar de presidente (pessoal, meu nome é Marcelo, ok? Rs.), dizer que cansou de tanto dirigir mesmo eu me oferecendo pra rachar a direção, pagando sorvete e almoço pra mim (acho que ganhei um pai), etc etc etc. Só vou perdoar pq seu tempo de prova foi duca. Kkk. Parabéns Vagnão.

Artur Araujo disse...

Mandou muito bem irmão,4:42 com pneu furado e tudo!!!S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L.Vai voar no iron tenho certeza.Vagner vou te dar uma idéia,não leva nada pra mastigar na prova,leva gel irmão,gel é o bicho.Gel+Glicodry+cápsula de sal+treino+raça=A grande prova
Vai com tudo irmão,estarei sempre torcendo.

Ricardo Hoffmann disse...

Que beleza de corrida hein! E relato muito bom também, parabéns! Aguardando o ápice no IM. Segue firme.

Yeda disse...

Desde a meia da Praia Grande quando o Jr me ensinou a marcar uma pessoa, alcança-lo e ultrapassá-lo, gosto de fazer isso nas provas, pelo jeito você também gostou da brincadeira.... Parabéns pelo seu resultado, vc merece muito mais!

Denys disse...

Vagner...
...eu não fico cansado de dizer sempre a mesma coisa: "em toda minha vida nunca conheci uma pessoa mais determinada do que você". Bom, na verdade conheço também a Ana Lídia...mas estou falando de pessoas "normais"...ela está mais para uma "Super-Humana de Stan Lee"...então, não conta...rs
Parabéns pelo resultado, parabéns pela determinação. O que mais nos impressiona é que você não esconde os problemas e as dificuldades que passou...você curte cada momento e descreve de maneira que nós, que estamos aqui lendo, tenhamos a sensação de estarmos nadando, pedalando e correndo junto com você...errando e acertando junto com você! Demais! Parabéns pelo relato!
PS: Diz aí quem foi a primeira pessoa que falou para você sobre o MR TUFF...que este produto pode ressecar e cortar a câmara de ar...que não usava, não indicava e não confiava no produto...quem, quem???